José Fragoso rende Maria Flor Pedroso na direção de Informação da RTP

O novo diretor de informação da RTP foi escolhido como diretor de programas da estação pública em junho de 2018. Deverá acumular os cargos após parecer vinculativo da ERC.

A RTP terá optado por uma solução interna para resolver a questão que se colocou com a demissão de Maria Flor Pedroso, com a acumulação de cargos por parte de José Fragoso, de acordo com informação avançada na edição online do jornal “Público”.

José Fragoso, que já era diretor de programas, vai assim acumular as duas direções, sendo que esta escolha ainda está sujeita ao parecer vinculativo da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Carlos Daniel, Adília Godinho e António José Teixeira integram a equipa como diretores-adjuntos.

O novo diretor de informação da RTP foi escolhido como diretor de programas da estação pública em junho de 2018.

Esta semana, a diretora de informação da RTP Maria Flor Pedroso colocou o seu lugar à disposição, depois da polémica em torno do programa “Sexta às 9”, que a levou ao parlamento. O conselho de administração do canal público informou, ao final desta manhã, que aceitou a decisão e agradeceu o trabalho desenvolvido pela jornalista.

Em comunicado enviado às redações, o conselho de administração da RTP diz que recebeu uma comunicação da diretora de informação Maria Flor Pedroso a colocar o seu lugar à disposição, “por esta considerar que, face aos danos reputacionais causados à RTP, não tem condições para a prossecução de um trabalho sério, respeitado e construtivo, como sempre tem feito”.

O conselho presidido por Gonçalo Reis esclarece ainda que acredita que a linha editorial que vinha a ser desenvolvida pela direção de Maria Flor Pedroso, “assente num jornalismo objetivo e rigoroso, livre e independente, isento e plural”, é cumpria um “serviço público de excelência, em absoluto contraste com a crescente tendência para um jornalismo populista e sensacionalista que repudiamos veementemente e que é imperativo combater”.

 

Recomendadas

“2023 será um ano de crescimento nos mercados externos”

O Grupo VAA tem como objetivo globalizar as suas duas marcas principais, Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e identificou sete mercados estratégicos onde está a apostar, explica Nuno Barra.

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.
Comentários