José Maria Ricciardi deixa Haitong Bank

Depois de ter liderado as negociações para que o Haitong Securities comprasse o ex-BESI, em 2015, o histórico presidente sai do banco.

José Maria Ricciardi

O Haitong Bank acaba de confirmar a notícia que circulava em rumor nos últimos dias. O presidente executivo do Haitong Bank que liderou as negociações para a venda do então BESI à Haitong Securities, saiu hoje do banco.

Em comunicado o Haitong Bank informou que “O Dr. José Maria Ricciardi cessou hoje as suas funções como membro do Conselho de Administração e Presidente da Comissão Executiva do Haitong Bank”.

A nota avança que “a gestão do Haitong Bank, continua a ser assegurada pela sua Comissão Executiva, sob a responsabilidade do Senhor Hiroki Miyazato, Presidente do Conselho de Administração do Banco”.

Na edição de hoje do Jornal Económico essa hipótese era avançada e surgia na sequência de estar a terminar o mandato.

José Maria Ricciardi foi o presidente do BESI nos últimos 13 anos, tendo sobrevivido ao tumulto que varreu o Banco Espírito Santo, que era da sua família.

A última grande démarche do seu mandato foi a de intermediar uma candidatura do China Minsheng Financial ao Novo Banco (que saiu da resolução do BES).

José Maria Ricciardi foi chamado a Xangai esta semana, à sede da Haitong Securities, numa altura em que se discute orçamento para 2017 e se prepara o próximo mandato. O Haitong Securitie substitui o CEO português e prepara-se para reduzir o número de administradores.

Nas últimas semanas haviam rumores de que Pedro Rebelo de Sousa, advogado e irmão do Presidente da República, iria para a administração do Haitong Bank. Notícia nunca confirmada pelo próprio. O Público avança com o seu nome e com o de Paulo Martins (actual administrador) para possivel CEO.

Não foi possível contactar José Maria Ricciardi.

Relacionadas

Haitong vai escolher administração para novo mandato

O mandato da actual administração que junta Hiroki Miyazato e José Maria Ricciardi termina no fim do ano.
Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários