José Maria Ricciardi vai continuar a cooperar com o Haitong

O Haitong Bank vem agora comunicar que “considerando que o principal objectivo que José Maria Ricciardi vinha prosseguindo no Banco já foi alcançado, este solicitou ao CEO Qu Qiuping que aceitasse a sua demissão enquanto membro do Conselho de Administração e CEO do Haitong Bank”.

“O CEO José Maria Ricciardi aceitou continuar no futuro a sua cooperação com o Grupo Haitong”, diz o banco de investimento num comunicado.

Esta informação surpreendeu o mercado que tinha a convicção que José Maria Ricciardi, presidente executivo do banco que se demitiu na semana passada, e Hiroki Miyazato, ‘Chairman’, estavam em ruptura por causa de fortes divergências sobre o caminho e as necessidades de capital do banco de investimento.

Na quinta-feira passada José Maria Ricciardi descolou-se a Xangai, sede da Haitong Securities, onde se reuniu com a administração dos donos do banco português, inicialmente para discutir o Orçamento  para 2017, mas na agenda estava também o futuro mandato à frente do Haitong Bank (ex-BESI).

Os mandatos dos administradores acabavam este ano. 2017 seria sempre um ano eleitoral para o Haitong que tem sede em Lisboa.  “O final de 2016 corresponde também ao final do mandato quadrienal do presente Conselho de Administração do Banco, sendo um momento perfeito para reformular o formato do mesmo conselho, adaptando-o ao novo contexto de plena integração no Grupo Haitong”, explica agora o banco em comunicado.

Em comunicado o Haitong Bank vem ainda explicar que “a 8 de Dezembro de 2016, o CEO do Grupo Haitong, Qu Qiuping, e José Maria Ricciardi, CEO do Haitong Bank, que é detido a 100% pelo Grupo Haitong, reuniram de modo a proceder ao balanço de um ano de integração do Banco no Grupo”.

O ano de 2016 “revelou-se um ano muito exigente no que diz respeito à situação económica Global e ao ambiente Global da banca de investimento. Apesar deste contexto, o Haitong Bank é hoje um membro inteiramente integrado no Grupo Haitong, o que lhe permite tirar partido do seu posicionamento internacional para concretizar ambições globais e estar preparado para um 2017 ainda mais desafiante”, diz o banco.

A saída de José Maria Ricciardi, amplamente noticiada nos jornais, foi hoje explicada em comunicado do banco que agora tem Hiroki Miyazato a conduzir os destinos banco, isto depois de um parco comunicado enviado ao mercado na passada sexta-feira em que se limitava a dizer que José Maria Ricciardi saiu do grupo.

“Desde o verão de 2014 e dos primeiros contactos com o Grupo Haitong, José Maria Ricciardi tem dedicado todo o seu tempo livre a prosseguir, primeiro, o objectivo de concretizar a aquisição acontecesse e, segundo, a coordenar e acelerar a integração do Banco no Grupo”, diz o documento.

“Neste momento, considerando que o principal objectivo que José Maria Ricciardi vinha prosseguindo no Banco já foi alcançado, este solicitou ao CEO Qu Qiuping que aceitasse a sua demissão enquanto membro do Conselho de Administração e CEO do Haitong Bank, tendo-o informado, ainda, que desenvolverá actividades profissionais de índole diferente das actuais”.

José Maria Ricciardi terá um novo projecto na calha, mas não foi possível saber detalhes.

“O CEO Qu Qiuping informou compreender e aceitar o pedido. Reitera, ainda, que o Grupo Haitong está particularmente satisfeito e agradece o trabalho feito pelo CEO José Maria Ricciardi na integração do Banco no Grupo, isto é, desde que se tornou quadro do Grupo Haitong”, diz o banco em comunicado.

“A continuidade da gestão do Banco será assegurada pela atual Comissão Executiva do Conselho de Administração, sob a responsabilidade do Chairman Hiroki Miyazato, até à nomeação formal de um novo Líder Executivo prevista para 16 de dezembro”.

Segundo o Jornal Económico sabe, foram convidados a ficar, Paulo Martins e Christian Manzolini. Havendo rumores de que poderá ficar ainda Frederico Alegria.

Fica certamente o CFO do banco, Mo Yiu Poon. Saiu já Rafael Valverde.

Recomendadas

Santander lança fundo de investimento social em parceria com a ONG do Bono e Bobby Shriver

O Banco Santander, através da SAM, celebrou uma aliança com a (RED), a ONG cofundada por Bono e Bobby Shriver para angariar fundos destinados ao combate à SIDA. O fundo doará 15% da sua comissão de gestão para promover projetos. O fundo começou a ser comercializado em Espanha, Portugal, Reino Unido, Alemanha, Chile e nos centros nos quais opera o Santander Private Banking Internacional.

Renegociação de créditos: o que muda com a nova lei? Veja o “Falar Direito”

Nesta edição, que conta com a presença do advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, tentamos perceber o que muda com este diploma para consumidores e banca, numa entrevista conduzida pela jornalista Mariana Bandeira.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.
Comentários