José Neves: “A plataforma vai transacionar dois mil milhões de dólares”

Fundador da Farfetch revelou meta ambiciosa, que ainda assim considerou “uma gota no oceano”, durante a Dream Assembly que está a decorrer em Londres.

Farfetch

O fundador da Farfetch, José Neves, disse ontem, em declarações exclusivas ao Jornal Económico, durante os trabalhos do programa de aceleração de projetos de negócio Dream Assembly, que “a plataforma vai transacionar dois mil milhões de dólares [1,75 mil milhões de euros] até ao final de 2019”, admitindo que lhe sobra muito espaço para crescer. “Numa indústria de 300 mil milhões ainda é uma gota no oceano”, comentou.

Eram cinco horas da tarde em ponto quando o empresário chegou ao quarto piso do Rooftop Kitchen, um café panorâmico na zona leste de Londres, uma das mais tech da capital britânica. Vestido de preto e com uma mochila às costas, este português, que construiu um verdadeiro império no setor da moda online, trocou algumas palavras com investidores e elementos das startups que participaram no segundo do Dream Assembly.

Em Portugal, além da construção de um campus em Matosinhos, José Neves sublinhou também a importância do nosso país na estratégia do grupo.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários