José Pedro Cortes apresenta One’s own arena

O fotógrafo José Pedro Cortes vai expor o seu trabalho no Museu da Eletricidade. A exposição One’s own arena é inaugurada a 16 de outubro e conta com a curadoria de Nuno Crespo. José Pedro Cortes esteve seis semanas a fotografar a cidade de Toyana, no Japão, em 2012, no âmbito do projeto European Eyes […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O fotógrafo José Pedro Cortes vai expor o seu trabalho no Museu da Eletricidade. A exposição One’s own arena é inaugurada a 16 de outubro e conta com a curadoria de Nuno Crespo.

José Pedro Cortes esteve seis semanas a fotografar a cidade de Toyana, no Japão, em 2012, no âmbito do projeto European Eyes on Japan. Regressou este ano à cidade nipónica, entre abril e maio, para procurar o mesmo tipo de cenários e personagens: homens e mulheres vulgares, sem nenhuma história particular ou marca social que os distinguisse de todos os outros que encontrava na rua. São estas as fotografias patentes na exposição.

José Pedro Cortes nasceu em 1976 e usa a fotografia para mostrar o lado quotidiano da vida, o casual, o banal. Interessa-lhe o estudo do corpo anónimo, tanto da mulher como do homem, que retrata nesta série pela primeira vez, e os limites e a tensão da relação masculino/feminino. Aprofundou também o estudo dos espaços interiores onde insere os modelos, os objetos e os seus materiais.

O resultado é uma seleção de 39 fotografias retratam de forma intensa personagens anónimas, ruas, objetos que surgem do olhar contemporâneo do artista.

“São umas ruas, seis ou sete pessoas, um restaurante, o mesmo quarto de hotel e pouco mais. Tudo isto num país muito diferente, com dificuldade de comunicação. Mas é a rotina de voltar às pessoas e aos sítios e a forma frágil e intensa com que as imagens foram feitas que me faz pensar em Toyama como um território”, explica o artista.

José Pedro Cortes é um dos mais relevantes nomes da jovem fotografia portuguesa, em forte processo de internacionalização da sua obra fotográfica e das suas publicações. Foi recentemente nomeado para o Novo Banco Foto. O seu trabalho desenvolve-se sempre sobre os lugares e as pessoas, num exercício de intimismo e descoberta, de segredo e revelação.

jpc1 JPCortes73 vase Folha de Sala_tras1

 

Museu da Eletricidade • Entrada livre • De 16 de outubro a 13 de dezembro • De terça a domingo, das 10h00 às 18h00

Recomendadas

“Annie Ernaux, os anos super 8”: juntar o íntimo ao social e à História

O público português pode marcar encontro com a escritora francesa Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022. No grande ecrã, estreia um documentário que é também um retrato social, a 15 de dezembro, e nas livrarias irá encontrar a reedição de uma obra sua esgotada há 20 anos.

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.