José Sócrates passa mais uma noite detido

O ex-primeiro-ministro José Sócrates saiu cerca das 22h20 de hoje do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa, mas desconhece-se se já foi interrogado. A TSF avança que não foi ainda ouvido pelo juiz. José Sócrates abandonou o TCIC, onde esteve durante mais de cinco horas, numa viatura descaracterizada, no banco de trás, que […]

O ex-primeiro-ministro José Sócrates saiu cerca das 22h20 de hoje do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa, mas desconhece-se se já foi interrogado. A TSF avança que não foi ainda ouvido pelo juiz.

José Sócrates abandonou o TCIC, onde esteve durante mais de cinco horas, numa viatura descaracterizada, no banco de trás, que saiu das garagens do edifício do Campus da Justiça à frente de outro veículo. Tudo indica que terá seguido para o comando metropolitano da PSP em Lisboa, em Moscavide, onde já passou a noite de ontem.

O advogado do ex-primeiro-ministro, João Araújo, disse aos jornalistas à porta do TCIC que fará “uma declaração amanhã [domingo], eventualmente”, sem esclarecer qualquer questão relacionada com o processo, nem sequer se o interrogatório a José Sócrates já tinha sido iniciado ou não.

Em comuinicado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) esclarece que “este inquérito teve origem numa comunicação bancária efectuada ao Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) em cumprimento da lei de prevenção e repressão de branqueamento de capitais”.

Segundo avança o Sol, a transação bancária terá sido efectuada em 2006, quando José Sócrates era primeiro-ministro.

A PGR, no mesmo comunicado, adianta que se “trata de uma investigação independente de outros inquéritos em curso, como o Monte Branco ou o Furacão, não tendo origem em nenhum destes processos. O inquérito, que investiga operações bancárias, movimentos e transferências de dinheiro sem justificação conhecida e legalmente admissível, encontra-se em segredo de justiça”.

Carlos Caldeira

com Lusa

 

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.