Josep Borrell pede ações imediatas para salvar acordo nuclear com Irão

“Para salvar o acordo nuclear com o Irão, coloquei na mesa o melhor acordo possível nessas circunstâncias. A hora de decidir é agora”, sublinhou o chefe da diplomacia da União Europeia, que também assume um papel de facilitador nestas reuniões, através de uma publicação no seu blogue.

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE) instou hoje as partes envolvidas nas negociações para retomar o acordo nuclear com o Irão a tomarem decisões “agora”, alertando que o espaço para alcançar novos compromissos significativos “está esgotado”.

“Para salvar o acordo nuclear com o Irão, coloquei na mesa o melhor acordo possível nessas circunstâncias. A hora de decidir é agora”, sublinhou Josep Borrell, que também assume um papel de facilitador nestas reuniões, através de uma publicação no seu blogue.

O político espanhol afirmou que, após 15 meses de negociações “intensas e construtivas” e “inúmeras interações” com os participantes do acordo e com os Estados Unidos da América (EUA), “esgotou-se o espaço para chegar a compromissos significativos adicionais” sobre o acordo.

“É necessário tomar decisões agora, para aproveitar a oportunidade única de alcançar sucesso e pôr em prática o grande potencial de um acordo nuclear totalmente implementado”, enfatizou.

O Irão e seis potências mundiais – EUA, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China – assinaram em 2015 um acordo sobre o controverso programa nuclear iraniano, aceitando Teerão limitar drasticamente o seu enriquecimento de urânio em troca do levantamento das sanções económicas.

Em 2018, o então Presidente norte-americano, Donald Trump, retirou unilateralmente os EUA do acordo e partir daí o Irão tem violado o acordo e tem aumentado o seu ‘stock’ de urânio enriquecido.

As conversações internacionais mantidas em Viena sobre a reanimação do acordo e o regresso dos EUA ao protocolo, depois da viragem política com a eleição de Joe Biden, estão paradas desde abril.

Para o Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, restabelecer o acordo nuclear iraniano “fortalecerá a segurança regional e global e demonstrará que são possíveis acordos internacionais em tempos turbulentos”.

Josep Borrell sublinhou que o acordo garantiu limites “estritos” às atividades nucleares do Irão e o mais amplo regime de vigilância e inspeção já aplicado pela Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), a agência para o nuclear da ONU.

De resto, o diretor-geral deste órgão, Rafael Grossi, admitiu estar preocupado com as recentes alegações do Irão, de que em breve estará “tecnicamente” em condições de construir armas nucleares.

Um conselheiro do líder espiritual do Irão, Ali Khameni, revelou que Teerão poderia “produzir urânio enriquecido a 90% sem problemas, a pureza necessária para fabricar bombas atómicas”.

Já a Agência de Energia Atómica do Irão (AEAI) garantiu na segunda-feira que não irá ligar as 27 câmaras de vigilância da AIEA até que o acordo nuclear de 2015 seja restaurado.

O acordo encontra-se num impasse e tanto o Irão, como os EUA, enfatizam que ainda há questões-chave a serem resolvidas que exigem vontade política e decisão.

Recomendadas

Julgamento por fraude fiscal contra Trump Organization agendado para outubro

O julgamento por suposta fraude fiscal contra a Trump Organization e o seu ex-diretor financeiro Allen Weisselberg começará em 24 de outubro, decidiu esta sexta-feira um juiz de Nova Iorque, rejeitando arquivar o caso, segundo a imprensa local.

Irão aceitará Acordo Nuclear mediante compromissos

Fonte não identificada afirmou que o último relatório com propostas apresentado pela União Europeia é “aceitável”, mas com algumas garantias, nomeadamente no que tem a ver com sanções e controlo do plano nuclear.

Venezuela e Colômbia iniciam normalização das relações

Os dois países vão trocar embaixadores na tentativa de restabelecer laços que se perderam há mais de três anos e que a vitória de Gustavo Petro nas presidenciais colombianas permitiu.
Comentários