Josep Borrell não consegue aproximação entra a Sérvia e o Kosovo

A falta de entendimento entre as partes continua. O alto representante europeu encontrou-se em separado com os líderes dos dois países. No final, o presidente sérvio considerou um acordo improvável.

O Alto Representante da União para a Política Externa e Segurança Comum, Josep Borrell, reuniu-se separadamente com o primeiro-ministro do Kosovo, Albin Kurti, e com o presidente sérvio, Aleksandar Vucic, à margem do Fórum da Paz de Paris.

Os sérvios do Kosovo devem regressar às instituições kosovares e retomar as suas funções, ao mesmo tempo que o país deve iniciar negociações para estabelecer uma comunidade de municípios de maioria sérvia. Esses compromissos, assumidos no âmbito do diálogo entre as partes, permanecem válidos e vinculativos, conforme anunciou a União após os encontros.

Josep Borrell disse em comunicado que “o atual ambiente geopolítico torna ainda mais imperativo superar o passado e envolvermo-nos em negociações sobre o que realmente importa para o Kosovo, a Sérvia, os seus povos e toda a região – que é a normalização das relações entre as duas partes como um fator chave para o progresso a caminho da Europa”.

Para o Kosovo, Kurti “enfatizou os elementos do acordo-quadro para a completa normalização das relações com reconhecimento mútuo” e descreveu a proposta franco-alemã como “uma boa base para futuras negociações”. “Não devemos atrasar as negociações sobre um acordo juridicamente vinculativo enquanto resolvemos problemas pontuais”.

O presidente da Sérvia disse, por seu turno, que não vê a possibilidade de uma solução de compromisso para a atual crise nas relações. Vucic afirmou ainda que Kurti pode ter as opiniões que quiser porque tem o apoio da Alemanha e da Grã-Bretanha e que o Alto Representante para Política Externa da Europa não pode fazer nada para alterar esse facto.

Kurti e Vucic estão em Paris para participarem no Fórum da Paz. O presidente do Kosovo, Vjosa Osmani, e a primeira-ministra da Sérvia, Ana Brnabic, também estão presentes. Esta quinta-feira, o presidente francês, Emmanuel Macron, anfitrião do fórum, disse que pretende reunir ao mesmo tempo com Kuti e com Vucic, na tentativa de se chegar a um acordo. Mas o presidente da Sérvia pode não estar interessado no encontro – depois de já ter dito anteriormente que o seu país não aceitará reconhecer a independência do Kosovo.

Aparentemente, um entendimento de largo espectro entre a Sérvia e o Kosovo parece cada vez mais difícil dado que Belgrado mantém-se irredutível em relação à não aceitação do reconhecimento da independência do Kosovo. Sem esse passo ser dado, é evidente para todas as partes envolvidas que não haverá qualquer desenvolvimento eficaz.

Para já, todos os esforços levados a efeito por vários altos dignitários europeus – Borrel, Macron e também o chanceler alemão Olaf Scholz, entre outros – tem embarrado na estratégia sérvia.

Relacionadas

Macron faz nova tentativa para aproximar a Sérvia e o Kosovo

Numa altura em que há dois acordos que estão em aberto, qualquer encontro entre os líderes dos dois países é uma boa notícia. As relações são de tal ordem crispadas que a última grande questão fraturante teve a ver com… matrículas automóveis.

Presidente sérvio recusa reconhecer a independência do Kosovo

O presidente sérvio Aleksandar Vucic anunciou que os representantes europeus propuseram um “novo quadro” para o diálogo entre o seu país e o Kosovo. Com um ponto essencial: o reconhecimento da independência do Kosovo por parte da Sérvia.
Recomendadas

Cimeira da NATO: o Ártico é a próxima fronteira

A entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, um dos temas centrais da agenda da cimeira da Roménia, transforma o Ártico numa nova zona de conflito potencial. A Rússia lembrou esse perigo, que Jens Stoltenberg conhece bem.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Morreu Jiang Zemin, ex-presidente e um dos construtores da China moderna

Foi um dos obreiros do crescimento económico da China e pretendeu construir um relacionamento estável com os Estados Unidos. Queria uma China a “entrar no mundo”.
Comentários