Globalização. Stiglitz fala sobre desigualdade em Lisboa

O nobel da Economia Joseph E. Stiglitz vai estar na Fundação Gulbenkian no dia 1 de dezembro para uma conferência com o tema Desigualdade num Mundo Globalizado.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O nobel da Economia Joseph E. Stiglitz, um dos autores mais influentes em matéria de desigualdade e uma das vozes mais críticas da globalização comercial e financeira, vai estar na Fundação Gulbenkian, no dia 1 de dezembro para uma conferência com o tema Desigualdade num Mundo Globalizado.

Joseph E. Stiglitz foi um dos poucos intelectuais que antecipiou a crise internacional desencadeada em 2008.

O antigo vice-presidente do Banco Mundial e consultor económico da Administração Clinton, Stiglitz foi galardoado em 2001 com o Prémio Nobel da Economia pela sua análise dos mercados com informação assimétrica.

O economista norte-americano foi também um dos autores principais do Relatório do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC), que partilhou o Nobel da Paz em 2007 com Al Gore. Em 2011, a revista Time colocou Joseph Stiglitz entre as 100 personalidades mais influentes do mundo.

Desde a década de 1960 que Stiglitz escreve sobre as desigualdades económicas na sociedade norte-americana. Tem dezenas de livros publicados sobre a desigualdade e a globalização, sendo o mais recente The Great Divide: Unequal Societies and What We Can Do About Them (2015), onde Stiglitz argumenta que a desigualdade económica nos EUA é uma opção, como resultado cumulativo de políticas injustas e de prioridades mal orientadas.

Partindo de exemplos aplicados na Escandinávia, Singapura e Japão, defende neste livro o aumento dos impostos sobre as empresas e os mais ricos, e um maior investimento em Educação, Ciência e infraestruturas, entre outras soluções para alcançar uma sociedade mais próspera e igualitária.

Em Portugal, Stiglitz tem editados os livros O Preço da Desigualdade (Bertrand, 2013) e Em Busca de Segurança (Bertrand, 2015), em coautoria com Mary Kaldor. Mais recentemente, foi também publicado no nosso país o livro Debate sobre a Desigualdade e o Futuro da Economia (Relógio d’Água), que regista um debate realizado em março deste ano entre os três “génios” da economia – Paul Krugman, Joseph Stiglitz e Thomas Piketty. Entre os temas abordados neste debate estão as origens da crise de 2008, o desemprego e as desigualdades sociais, os problemas da Zona Euro e das instituições europeias, bem como a evolução dos EUA e da China.

Tal como Paul Krugman e Thomas Piketty (que também esteve na Fundação Gulbenkian para uma conferência, em abril deste ano), Stiglitz tem sido muito crítico da troika e das políticas de austeridade adotadas na Zona Euro. No Financial Times, juntou a sua assinatura à lista de economistas – incluindo Thomas Piketty, o ex-primeiro-ministro italiano Massimo D’Alema e o norte-americano Jamie Galbraith – que este ano dirigiram uma carta aberta aos credores da Grécia, onde era sublinhada a necessidade de ambos os lados fazerem concessões. “Um apelo à sanidade económica e à humanidade”, intitulava-se o artigo.

 OJE

Recomendadas

Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Atualização do IAS aumenta valor máximo do subsídio de desemprego em 93 euros

O valor máximo do subsídio de desemprego vai subir mais do que o previsto avançando 93 euros, para 1.201,08 euros, refletindo o aumento de 8,4% do Indexante de Apoios Sociais (IAS) em 2023.

Afinal, pensões mais baixas vão subir 4,83% em janeiro

Pensões até 961 euros vão ter aumento de 4,83%, pensões entre 961 euros e 2.883 euros vão subir 4,49% e pensões acima de 2.883 euros vão crescer 3,89%. Correção das atualização vai custar 110 milhões de euros, aos quais se somam os 1.155 milhões de euros já previstos.