Jovens portugueses são os que têm a perceção mais negativa em relação à banca

Entre países como a Bélgica, Itália e Reino Unido, Portugal é aquele que tem a percepção mais negativa em relação à banca, com apenas 21% dos jovens a manifestar plena confiança.

Portugal é o país onde o sector bancário tem a perceção mais negativa, com apenas 21% dos jovens a manifestar plena confiança, ou seja, menos 11 pontos percentuais (p.p) do que a média registada na Bélgica, República Checa, Itália, Roménia e Reino Unido inquiridos pelo estudo internacional do Observador Cetelem, divulgado esta quinta-feira.

Apesar dos resultados, tal não significa que os jovens não recorram a estas entidades para se financiarem.

Na verdade, de acordo com o “Ser jovem hoje: que caminhos para a independência” grande parte dos jovens revela ter planos para o futuro, no entanto, a falta de financiamento impede a realização de tais projetos: 79% dos jovens portugueses – sobretudo os jovens ativos e que vivem sozinhos – admitem ter planos para o futuro, apesar de não terem financiamento.

O plano mais prioritário e aquele mais referido para 61% dos jovens portugueses passa por mudarem de casa ou comprarem um apartamento ou casa, algo que se verifica mais entre inquiridos do sexo feminino, entre os 25 e os 30 anos, e os que atualmente se encontram empregados.

Seguem-se os planos de viagem (48%), mais desejados pelos jovens entre os 18 e os 24 anos, os que estão à procura do primeiro emprego ou que ainda estudam – e os planos para ter um carro, uma mota, etc. (43%).

Para encontrar informação sobre como obter financiamento para a realização destes projetos, 65% dos jovens portugueses recorrem maioritariamente à família, uma percentagem superior à média europeia (52%. E, apesar das apreensões, 56% dos jovens portugueses admitem dirigir-se aos especialistas financeiros (bancos tradicionais, instituições de crédito ao consumo) para tirar dúvidas e obter mais informação. A família (63%) continua a ser também a primeira fonte para pedirem financiamento para um projeto, seguida pelas instituições especialistas sector bancário e financeiro (53%).

Segundo o estudo, os jovens têm uma maior consideração pela economia digital, com cerca de 78% dos jovens portugueses com uma perspetiva positiva sobre a internet — mais 11 p.p. face à média europeia — 55% sobre as startups e 54% relativamente às redes sociais.

Nesta esfera da economia digital, o ponto mais negativo vai mesmo para os influenciadores das redes sociais que recolhem apenas 32% dos votos positivos.

As PME, depois da internet, são a opção que reúne mais opiniões positivas dos jovens portugueses (68% em Portugal contra 58% média europeia).

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários