Jovens querem dinheiro no sapatinho

Estudo “Wish List de Natal dos portugueses” no Twitter


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Roupa, férias e bilhetes para concertos são alguns dos desejos mais referidos no Twitter, depois de numerário.

Na era digital, as cartas ao Pai Natal,  por outras palavras, os pedidos aos pais, deram lugar a “wish lists” (listas de desejos), partilhadas nas redes sociais. E o que pedem os jovens? Dinheiro. Dinheiro é este ano o presente mais desejado.

Um estudo realizado, entre meados de novembro e meados de dezembro, pela empresa de Inteligência de Mercado e Gestão de Relacionamento nas redes sociais E.Life, com base na monitorização de 1.700 tweets de 1.454 utilizadores únicos, com idades entre os 13 e os 20 anos de idade, mostra que o dinheiro surge como a opção mais interessante, com os jovens a destacar a possibilidade de poderem decidir o que comprar depois do Natal.

Os internautas confessam também que esperam encontrar no sapatinho roupa e bilhetes para concertos. Neste capítulo, o do cantor Justin Bieber encabeça a lista de preferências. Refira-se, ainda, que o estudo indica que 39% dos utilizadores irão pedir os referidos presentes aos pais.

Os “posts” demonstram uma menor ansiedade com a chegada da quadra natalícia, o que pode ser explicado, por exemplo, pelo facto de os adolescentes irem recebendo o que querem ao longo do ano.
As conclusões do estudo demonstram, igualmente, que os desejos de Natal deste ano se revelam menos materialistas do que em anos anteriores. O telemóvel, por exemplo, é visto como o meio para falar com os amigos, sendo a funcionalidade mais valorizada do que o equipamento em si. O iPhone continua, ainda assim, a ser um objeto de desejo: a maior parte dos internautas possui um Android, mas uma parte considerável refere que gostaria de ter um iPhone.

Por Almerinda Romeira/OJE

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.