JPP denuncia que Presidente do Governo da Madeira continua a faltar à palavra dada nos direitos de Saúde

Élvio Sousa destacou que a Região Autónoma da Madeira continua a ser a única região do País sem a portaria que fixa os tempos máximos de resposta garantidos (TMRG) “a um cidadão que aguarda por uma cirurgia, por um exame ou por uma consulta de especialidade”.

O presidente do grupo parlamentar do Juntos pelo Povo (JPP), Élvio Sousa, denunciou o incumprimento do Presidente do Governo Regional para com os utentes do Serviço Regional de Saúde, relembrando o “Decreto Legislativo Regional n.º 3/2016/M que consagra os direitos dos utentes do Serviço Regional de Saúde”, legislação que “prevê a melhoria da qualidade dos serviços prestados e o acesso mais fácil e atempado aos cuidados de saúde”, referiu na atividade política desta segunda-feira, que decorreu na Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira.

Élvio Sousa frisou que “muitas vezes, um dos maiores problemas do Serviço Regional de Saúde não está no acesso direto aos cuidados de saúde, mas na capacidade de resposta, real e atempada, que se afigura necessária”.

Para o JPP é claro que “quer o presidente do Governo Regional, quer o Secretário Regional da Saúde, ambos estão a faltar à palavra dada no que respeita ao escrupuloso cumprimento legal dos direitos dos utentes”, referiu.

O parlamentar destacou que a Região Autónoma da Madeira continua a ser a única região do País sem a portaria que fixa os tempos máximos de resposta garantidos (TMRG) “a um cidadão que aguarda por uma cirurgia, por um exame ou por uma consulta de especialidade”, mas também pelo facto de o “Governo Regional não apresentar, ao Parlamento Regional, o relatório sobre a situação do acesso aos cuidados de saúde, tal como prevê o mesmo Decreto Legislativo Regional”.

“Todos os anos, e até 31 de maio, a Secretaria Regional com a tutela da Saúde deve apresentar à Assembleia um relatório exaustivo sobre a situação do acesso dos cuidados de saúde na Região, dever este que está por cumprir há sete anos”, num total de sete relatórios que estão por apresentar a “todos os deputados”, reforçou.

Para Élvio Sousa esta situação é “uma violação, é um incumprimento não só legal, mas também um incumprimento por parte do órgão executivo de prestar contas aos deputados que são legítimos representantes da população”.

O JPP defende que esta situação “tem de ter uma solução”. Este relatório “que não é mais do que a avaliação sobre os direitos dos cidadãos é, por si só, um mecanismo de transparência e uma obrigação legal e técnica para com o primeiro órgão de Governo próprio da Região que é esta Assembleia Legislativa Regional”, aponta o deputado.

“Miguel Albuquerque continua a faltar à palavra dada no que respeita aos direitos de saúde, continua a faltar à palavra dada aos deputados e continua a Secretaria Regional da Saúde a dever a esta Assembleia, sete relatórios exaustivos sobre a situação dos direitos na saúde regional”, concluiu o parlamentar.

Recomendadas

Funchal: PAN critica “tiques de absolutismo” de PSD e CDS-PP

O partido diz que o Orçamento Municipal do Funchal, que foi aprovado na Assembleia Municipal, permite concluir que estamos perante uma vereação “sem rasgo, sem ideias, conduzida por um presidente de Câmara, Pedro Calado, cuja capacidade de resolução de problemas já é considerada, por um número crescente e cada vez maior de habitantes do Funchal, como uma desilusão”.

Madeira lança campanha para promover literacia na saúde

Entre os temas abordados estarão: a alimentação saudável, a promoção da atividade física, a prevenção de acidentes em diferentes idades e contextos, a saúde mental ao longo da vida, a prevenção de consumos de substâncias psicoativas, a prevenção de consumos de álcool e tabaco, o sono e o repouso recomendados e o uso adequado da medicação.

Asseco PST e LOQR estabelecem parceria para reforçar ligação à lusofonia

Com esta parceria as empresas pretendem auxiliar as instituições financeiras no seu processo de aceleração digital.
Comentários