Juiz Carlos Alexandre aprova venda da Comporta

O juíz vem subscrever a mesma posição assumida pelo Ministério Público. A venda dos ativos foi realizada por cerca de 158 milhões de euros.

O juiz Carlos Alexandre subscreveu a posição do Ministério Público, dando luz verde à venda da Comporta ao consórcio de Paula Amorim e Claude Berda, avança o Expresso.

Esta posição, diz a mesma publicação, já terá sido enviado à sociedade gestora do fundo da Comporta, a Gesfimo, dando parecer favorável ao negócio.

O juiz de instrução criminal Carlos Alexandre subscreveu o posicionamento do Ministério Público e decidiu, em definitivo, não se opor à venda dos ativos do fundo imobiliário Herdade da Comporta ao consórcio de Paula Amorim e Claude Berda, notícia o semanário.

O despacho do Tribunal Central de Instrução Criminal foi enviado esta quinta-feira à sociedade que gere o fundo da Comporta, a Gesfimo, confirmando um posicionamento inicial do Ministério Público (que mantém o arresto dos terrenos da Comporta) de dar “luz verde” ao negócio, escreve o Expresso.

De referir que a assembleia de participantes do fundo da Comporta aprovou a venda desses activos ao consórcio por cerca de 158 milhões de euros, como tinha anunciado o Jornal Económico, em finais de novembro.

Nessa altura a RioForte e o Novo Banco aprovaram a venda dos dois principais ativos ao consórcio Vanguard/Amorim.

O Expresso refere também que embora o juiz responsável por acompanhar a fase de inquérito da Operação Marquês tenha decidido não se opor à aquisição da Comporta por Paula Amorim e Claude Berda, o Ministério Público e o juiz entenderam não poder pronunciar-se no sentido de alterar o arresto dos terrenos da Comporta, decidido no âmbito dos processos relacionados com o Grupo Espírito Santo e a insolvência da Rioforte (braço não financeiro do GES).

Apesar de os terrenos estarem arrestados, o negócio pode, assim, avançar, diz ainda o Expresso.

(Atualizada)

Relacionadas

Comporta: CGD recebe 116 milhões, Rioforte 2,4 milhões, pequenos participantes um milhão e o NB 620 mil euros

A Gesfimo prevê que “num cenário mais favorável” possam reverter até 4 milhões para participantes do Fundo da Comporta. O valor oferecido pelo consórcio Vanguard/Amorim de 158 milhões serve para pagar a dívida de 116 milhões à CGD. Mas também para uma “conta escrow” de 8 milhões que pode baixar para 7,5 milhões, e ainda haverá a retenção de uma verba para fundo de maneio, para pagar custos, nomeadamente fiscais. Veja aqui o que foi revelado na AG da Comporta.

Advogados & consultores: cem assessores jurídicos num negócio de 200 milhões

Cerca de uma centena de assessores jurídicos dos grandes escritórios e consultoras estiveram envolvidos no negócio. O verão foi marcado por guerrilhas, acusações de conflitos de interesses entre os representantes do vendedor e consórcios interessados, mas os ânimos não deverão arrefecer, pelo menos, até ao final de março.
Recomendadas

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Tecnológica portuguesa Innowave compra Cycloid

Desde 2018 que o grupo tem uma forte estratégia de M&A. “Esta aquisição é mais um passo na nossa estratégia de crescimento, materializada também na criação de centros de competência em Portugal, como é o caso de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Beja”, afirmou o CEO da Innowave, Tiago Gonçalves.
Comentários