Juros a subir e reforma fiscal mais próxima animam Wall Street

Nos EUA, os principais índices acionistas negoceiam com ganhos, o dólar aprecia-se e os juros da dívida recuam.

Andrew Kelly/Reuters

Os investidores nos Estados Unidos acordaram esta quinta-feira com boas notícias. Depois de quarta-feira a Reserva Federal norte-americana ter subida o federal funds rate e de os congressistas Republicanos terem chegado a acordo com o presidente Donald Trump, sobre a proposta de reforma fiscal, incluindo uma redução da taxa sobre as empresas para 21%, dos atuais 35%, Wall Street negoceia animado.

O índice industrial Dow Jones avança 0,28% para 24.654,76 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 sobe 0,13% para 2.666,23 pontos e o tecnológico Nasdaq ganha 0,19% para 6.884,85 pontos.

No mercado cambial, a moeda norte-americana segue a valorizar face às pares europeia, britânica e japonesa. O dólar aprecia-se 0,14% para 0,846 euros, 0,05% para 745 libras e 0,11% para 112,66 ienes. Os juros das Treasuries a 10 anos recuam 1,1 pontos base para 2,39%.

“Há um background bastante positivo, os investidores estão focados na negociação dos impostos que está próximo de chegar a acordo entre a Casa dos Representantes e o Senado”, explicou o economista chefe da Raymond James, Scott Brown, à agência Reuters.

“Vai demorar algum tempo a analisar os detalhes, o que pode significar para empresas específicas, mas será consistente com o tom positivo geral”, acrescentou.

Relacionadas

EUA: Republicanos chegam a acordo sobre reforma fiscal

“Acho que conseguimos um bom acordo”, afirmou o Senador republicano Orrin Hatch, que preside ao Comité de Finanças do Senado.

Yellen: Reforma fiscal não vai ter impacto nas subidas dos juros nos EUA

O banco central estima aumentar o ‘federal funds rate’ até 2,1% no próximo ano e 3,1% em 2020. No entanto, os cortes nos impostos não vão ter impacto no futuro porque já estão incorporados, incluindo na subida anunciada esta quarta-feira e na revisão em alta das estimativas de crescimento económico.

EUA: Fed sobe taxa de juro pela terceira vez este ano

A decisão foi justificada pelas condições do mercado de trabalho e pela inflação e já era amplamente esperada pelo mercado.
Recomendadas

Wall Street regressa aos ganhos a meio da semana

A Apple destacou-se esta quarta-feira por afundar mais de 4%, na sequência de a gigante liderada por Tim Cook ter posto na gaveta o seu plano para aumentar a produção dos seus novos iPhones, mas as ações acabaram por encerrar a sessão com uma perda de pouco mais de 1%.

BCP cai 5% e arrasta bolsa de Lisboa para terreno negativo numa Europa mista

“O índice nacional esteve pressionado pela queda de 5% do BCP, numa sessão onde o setor Bancário demonstrou a pior performance na Europa”, escreveu o analista do Millennium BCP, Ramiro Loureiro, na sua análise de fecho de mercados.

CMVM publica cinco decisões de contraordenação, incluindo a coima de 75 mil euros à Orey Antunes

Na base das decisões da CMVM estão três processos por violação de deveres de atuação dos auditores. O processo contra a Orey Antunes por não ter divulgado os documentos de prestação de contas anuais e um processo por violação de deveres dos intermediários financeiros.
Comentários