Juros da dívida de Portugal a subir em todos os prazos, pressionados pela Grécia

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a subir em todos os prazos em relação a quarta-feira, pressionados pelos da Grécia, que estavam acima dos 14%, tanto a cinco como a dez anos. Hoje, cerca das 08h50 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a subir para 2,606%, depois de terem […]

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a subir em todos os prazos em relação a quarta-feira, pressionados pelos da Grécia, que estavam acima dos 14%, tanto a cinco como a dez anos.

Hoje, cerca das 08h50 em Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a subir para 2,606%, depois de terem terminado a 2,587% na quarta-feira e de terem descido até ao mínimo de sempre, de 2,374%, a 26 de janeiro.

Os juros a dois anos também estavam a subir, para 0,337%, contra 0,333% na quarta-feira e o mínimo de sempre, de 0,287%, a 22 de janeiro passado.

No mesmo sentido, os juros a cinco anos estavam a subir para 1,636%, contra 1,616% na quarta-feira e o mínimo de sempre, de 1,257%, a 02 de janeiro passado.

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam a cair a cinco e dez anos, enquanto os de Itália estavam a subir em todos os prazos e os de Espanha estavam a cair a dois anos e a subir a cinco e dez anos.

Os juros da Grécia que têm estado a subir desde a vitória do Syrisa, estão acima dos 14% tanto a cinco como a dez anos.

OJE/Lusa

Recomendadas

“IVA zero? Preferia fortalecer as medidas de apoio às famílias mais carenciadas”, sublinha ex-ministro das Finanças

Em entrevista à “Antena 1” e “Jornal de Negócios”, João Leão defendeu um fortalecimento das medidas de apoio às famílias mais vulneráveis e considerou que ao longo deste ano vai existir uma tendência de descida dos preços dos bens alimentares pela redução dos preços da energia.

Para onde vai o dinheiro dos impostos?

A maioria dos impostos é entregue para proteção social e saúde, enquanto a defesa, desporto, cultura e religião recebem a menor parte.

FMI aprova 14,4 mil milhões para a Ucrânia, primeiro financiamento do género a um país em guerra

A decisão abre caminho ao desembolso imediato de uma tranche de 2,5 mil milhões de euros a Kiev, com a contrapartida da realização de reformas ambiciosas, sobretudo no sector de energia.