Juros da dívida de Portugal descem em todos os prazos

Os juros da dívida de Portugal estavam hoje a cair em todos os prazos em relação a sexta-feira, alinhados com os da Grécia, Irlanda, Itália e Espanha. Cerca das 08h30 de Lisboa, os juros da dívida portuguesa a 10 anos estavam a descer, para 3,197%, abaixo dos 3,2%, depois de terem terminado na sexta-feira nos […]

Os juros da dívida de Portugal estavam hoje a cair em todos os prazos em relação a sexta-feira, alinhados com os da Grécia, Irlanda, Itália e Espanha.

Cerca das 08h30 de Lisboa, os juros da dívida portuguesa a 10 anos estavam a descer, para 3,197%, abaixo dos 3,2%, depois de terem terminado na sexta-feira nos 3,217% e descido até ao mínimo de sempre, de 2,957%, a 10 de outubro.

No mesmo sentido, a cinco anos, os juros estavam a cair para 1,813%, contra 1,839% na sexta-feira e depois de terem descido até ao mínimo de 1,584% a 05 de setembro passado.

Os juros a dois anos também estavam a descer, para 0,831%, depois de terem terminado a 0,892% na sexta-feira e de terem atingido o valor mais baixo alguma vez registado, de 0,437%, a 25 de setembro passado.

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam hoje a cair em todos os prazos. Dublin terminou a 15 de dezembro de 2013 o programa de ajustamento solicitado à ‘troika’ em 2010, no valor de 85 mil milhões de euros.

Os juros de Itália e de Espanha também estavam a descer em todos os prazos, bem como os da Grécia a cinco e dez anos, que são os únicos prazos disponíveis para este país.

OJE/Lusa

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.