Juros da dívida de Portugal estáveis a dois, a cair a cinco e a subir a dez anos

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje estáveis a dois anos, a descer a cinco e a subir a dez anos em relação ao fecho de quinta-feira. Hoje, cerca das 08h45 de Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a subir para 2,775%, depois de terem terminado na quinta-feira a 2,769% e […]

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje estáveis a dois anos, a descer a cinco e a subir a dez anos em relação ao fecho de quinta-feira.

Hoje, cerca das 08h45 de Lisboa, os juros da dívida portuguesa a dez anos estavam a subir para 2,775%, depois de terem terminado na quinta-feira a 2,769% e de terem batido o mínimo de sempre de 2,719% a 8 de dezembro.

No prazo de cinco anos, os juros estavam a descer para 1,511%, contra 1,525% na quinta-feira e do mínimo de sempre, 1,441%, a 8 de dezembro.

Os juros a dois anos estavam a estáveis, a 0,506%, o mesmo valor do encerramento de quinta-feira e depois de terem descido até ao mínimo de 0,437% a 25 de setembro.

A taxa de juro diretora está fixada no mínimo histórico de 0,05% desde 4 de setembro passado.

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam hoje a descer a dois e cinco anos e estáveis no prazo mais longo.

Os juros de Itália estavam a descer em todos os prazos, enquanto os de Espanha estavam a descer a dois e cinco anos e a subir a dez anos.

Em relação aos juros da Grécia a cinco e dez anos, os únicos prazos disponíveis para este país, estes estavam a cair nos dois prazos.

OJE/Lusa

Recomendadas

PSI segue sessão no ‘vermelho’. BCP, REN e EDP Renováveis caem mais de 2%

Lá fora, as principais praças europeias também negociaram no ‘vermelho’. O CAC 40 perde 0,12%, o DAX cai 0,15%, o IBEX 35 recua 0,70% e FTSE 100 desvaloriza 0,66%.

Euro cai para novo mínimo de 20 anos depois de viragem à direita em Itália

“A União Europeia (UE) e a zona euro estão numa situação difícil: não só a Europa está a sofrer uma verdadeira crise energética, mas agora a direita em Itália está também a registar uma vitória histórica”, disse o economista-chefe do VP do Banco Thomas Gitzel, citado pela Efe, que acrescenta que o veredicto dos mercados financeiros sobre o assunto é claro.

Euribor sobem a três e 12 meses para novos máximos e mantêm-se a seis meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, manteve-se hoje em 1,803%, um máximo desde setembro de 2011.