Juros da República portuguesa a 10 anos em máximos de cinco anos. Euro continua a cair face ao dólar

Itália tem os juros a dispararem para quase 5%. As dívidas soberanas estão numa escalada imparável. Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a subir, para novos máximos, alinhados com os da Grécia e Itália.

Paulo Whitaker/Reuters

Portugal tem os juros das Obrigações do Tesouro a 10 anos a disparem para níveis de 2017. Os juros sobem 9,93 pontos base para 3,42%. Mas os juros alemães também disparam. As bunds estão a subir 11,40 pontos base para uma yield de 2,34%. Desta forma, o prémio de risco da dívida portuguesa está em 108 pontos base.

A dívida espanhola no mesmo prazo alinha pelo mesmo diapasão, ao disparar 9,55 pontos base para 3,52%.

Já a dívida italiana a 10 anos está em máximos. Os juros sobem 15,64 pontos base para 4,87%, um movimento acentuado e que reflete o atual contexto. Há o risco de uma recessão a ser impulsionada pela energia na área do euro e no Reino Unido.

O prémio de risco da dívida italiana está agora em 253 pontos base.

A dívida grega dispara 16,19 pontos base para 5,06%

A impulsionar o agravamento dos juros estão as perspetivas de que os bancos centrais vão continuar a subir as taxas de juro para tentar travar a inflação.

Segundo a análise da BA&N, no mercado de obrigações as movimentações são extremas, “com a yield dos títulos dos EUA a 10 anos acima dos 4% pela primeira vez desde abril de 2010 após registar em setembro o agravamento mais pronunciado em quase 20 anos”.

“A taxa das obrigações britânicas a 30 anos rompeu a barreira dos 5% pela primeira vez em 20 anos, numa altura em
que o mercado já está a descontar que o Banco de Inglaterra vai ter de aumentar a taxa de juro em 4 pontos percentuais até maio, para 6,25%, para conter a quebra da libra e contrariar os efeitos da política orçamental
do Governo”, refere a análise da BA&N que lembra que crise no Reino Unido é especialmente dramática.

Nas moedas, o dólar sobe pelo sétimo dia face ao euro. O euro está agora em 0,9559 dólares e a cair 0,36%.

Recomendadas

Santander lança fundo de investimento social em parceria com a ONG do Bono e Bobby Shriver

O Banco Santander, através da SAM, celebrou uma aliança com a (RED), a ONG cofundada por Bono e Bobby Shriver para angariar fundos destinados ao combate à SIDA. O fundo doará 15% da sua comissão de gestão para promover projetos. O fundo começou a ser comercializado em Espanha, Portugal, Reino Unido, Alemanha, Chile e nos centros nos quais opera o Santander Private Banking Internacional.

Bolsa de Lisboa arranca no ‘vermelho’. Galp cai quase 2%

Em linha com as congéneres europeias, a praça lisboeta abre a sessão desta segunda-feira em terreno negativo, com as principais cotadas do PSI a desvalorizar. O índice recuou 0,68% na abertura.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

Uma semana rica em dados da inflação na Europa, que os mercados analisarão com atenção na busca de sinais sobre a política monetária de médio-prazo do BCE, que tem vários responsáveis a discursar. Também nos EUA e Inglaterra os responsáveis pelos bancos centrais discursam na antecâmara da última reunião do ano.
Comentários