Justiça obrigou Paulo Cafôfo a declarar saldos das contas bancárias

O ex-presidente da Câmara do Funchal já comunicou junto do Constitucional as omissões que existiam em três declarações de rendimentos que entregou quando ainda ocupava o lugar de autarca, em 2017 e 2019, e foi agora notificado para preencher essas omissões que tinham sido detetadas na declaração que tinha entregue já como governante em 2022, revela o Correio da Manhã.

O Ministério Público junto do Tribunal Constitucional terá obrigado o atual secretário de Estado das Comunidades, Paulo Cafôfo, a declarar os saldos das contas bancárias, revela o “Correio da Manhã” na edição deste domingo.

Conta o diário que o ex-presidente da Câmara do Funchal já comunicou junto do Constitucional as omissões que existiam em três declarações de rendimentos que entregou quando ainda ocupava o lugar de autarca, em 2017 e 2019, e foi agora notificado para preencher essas omissões que tinham sido detetadas na declaração que tinha entregue já como governante em 2022.

Em declarações ao “Correio da Manhã”, Paulo Cafôfo garantiu que “tudo será preenchido” e que “não há aqui nada a esconder”.

O Correio da Manhã noticia, na sua edição de 16 de janeiro, que Paulo Cafôfo está a ser investigado pelo Ministério Público, enquanto ex-presidente da Câmara do Funchal.

No processo, que envolve também contratos públicos celebrados por autarquias madeirenses e empresas privadas, estão a ser investigada a eventual prática de crimes de corrupção, tráfico de influências, participação económica em negócio e abuso de poder, de acordo com aquele jornal.

Relacionadas

Respostas Rápidas. O que está em causa na investigação ao secretário de Estado das Comunidades?

O governante, antigo presidente do PS Madeira e da Câmara do Funchal, diz que “não tem conhecimento de qualquer facto que possa indiciá-lo da prática de qualquer ilícito criminal”. O Jornal Económico explica-lhe.
Recomendadas

Tribunal emite mandado de captura de empresário alemão acusado de prostituição de menores

Segundo uma nota na página do Ministério Público (MP) da Comarca de Lisboa – sem citar o nome, mas indicando o número do processo que foi atribuído ao caso do arguido conhecido como “Rei dos Aspiradores” -, o juiz de instrução confirmou a acusação do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa. Schmelz vai responder por 21 crimes de recurso à prostituição de menores agravado e cinco crimes de aliciamento de menores para fins sexuais.

Novo fôlego em Belém, o sufoco do costume em São Bento. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

Há entre 660 e 680 mil portugueses a viver em pobreza energética severa; TAP paga oito milhões para travar greve e promete bónus por acordo de empresa; Megaprocesso leva a PJ de novo à Câmara de Lisboa.
Comentários