Justin Bieber vende catálogo musical por 200 milhões de dólares

O músico canadiano com apenas 28 anos vendeu o seu catálogo musical à empresa britânica Hipgnosis por 200 milhões de dólares, segundo avança a revista Rolling Stone.

O músico Justin Bieber vendeu os direitos do seu catálogo musical à Hipgnosis, uma empresa britânica especializada na gestão de fundos musicais, por 200 milhões de dólares (cerca de 184 milhões de euros).

A informação foi divulgada na terça-feira, segundo a avança a revista “Rolling Stone”. O catálogo do músico engloba 290 músicas lançadas até 31 de dezembro de 2021.

A empresa britânica adquiriu 100% dos direitos de autor de publicação de Bieber, incluindo escrita, gravações e ‘direitos vizinhos’ (sempre que uma música toca em locais públicos, os ‘direitos vizinhos’ são pagos aos proprietário da gravação).

Este acordo, deixa nas mãos da empresa canções como “Baby”, “Sorry”, “Boyfriend” e “Love Yourself”. O cantor conta com mais de 150 milhões de discos vendidos, sendo um dos artistas que regista mais vendas no mundo e de todos os tempos. Bieber junta-se a uma lista de artistas que também venderam o seu portfólio a esta empresa, como Bob Dylan, Bruce Springsteen e Justin Timberlake.

A venda de catálogos musicais é bastante comum no mundo musical, mas normalmente acontece quando os artistas já se encontram no final da carreia. Justin Bieber tem apenas 28 anos, o que torna este acordo multimilionário um pouco invulgar.

Esta venda acontece após um ano atribulado para o cantor, que se viu obrigado a cancelar parte da sua digressão devido a problemas de saúde, nomeadamente uma paralisia facial causada pelo síndrome de Ramsay-Hunt.

Relacionadas

Como uma música lançada por Kate Bush há 37 anos foi ouvida 57 milhões de vezes no espaço de uma semana

No espaço de duas semanas, a cantora britânica arrecadou 400 mil euros nos EUA com as vendas e audições de uma música lançada em 1985. Novo sucesso da cantora conhecida por ser reclusiva tem sido inesperado.

Joni Mitchell segue Neil Young e sai do Spotify por desinformação sobre a Covid-19

A cantora e compositora justificou a decisão de retirar a sua música do Spotify por “as pessoas irresponsáveis estarem a espalhar mentiras que estão a custar a vida das pessoas. Sou solidária com Neil Young e com a comunidade científica e médica global”.

Nick Cave recebe letras escritas através de Inteligência Artificial

O músico Nick Cave afirma que o apocalipse está a vir, e não se mostra satisfeito com as letras feitas pelo ChatGPT.
Recomendadas

Premium“Interessa-me valorizar a imperfeição da madeira”

Vasco Fragoso Mendes, de 29 anos, é um artífice genuinamente apaixonado pela sua matéria-prima de eleição, a madeira, que trabalha no seu WAD – Wood Architecture and Design, na Rua de Campolide, em Lisboa. Combinando três ofícios que se complementam – o design, a arquitetura e a marcenaria – cria peças únicas que incorporam a imperfeição natural da madeira. Vasco foi internacional de râguebi, integrando a selecão de Portugal entre 2009 e 2020.

PremiumBoris Pistorius, o novo ministro à Defesa da Alemanha

Segundo adiantam alguns especialistas, no fim da guerra na Ucrânia a Rússia continuará no mesmo lugar onde está hoje. Por maioria de razão, o mesmo acontecerá com a Alemanha.

Fundação Calouste Gulbenkian apoia projetos de criação artística

Estão abertas, até 31 de março, as candidaturas a apoios da Gulbenkian para projetos de criação artística. Artes Performativas, Artes Visuais e Cinema são as áreas contempladas.
Comentários