Kiev critica declarações de Macron sobre “não se humilhar a Rússia”

O Presidente francês repetiu na sexta-feira que não será necessário “humilhar a Rússia” — uma afirmação muito mal recebida no leste da Europa — “para que no dia em que terminem os combates, possamos encetar um caminho de saída pelas vias diplomáticas”.

Carolyn Kaster/POOL/Reuters

O chefe da diplomacia ucraniana, Dmytro Kuleba, criticou este sábado declarações do Presidente francês, Emmanuel Macron, a defender que não se deve humilhar a Rússia, considerando que essa posição só pode “humilhar a França”.

“Os apelos para evitar humilhar a Rússia só podem humilhar a França ou qualquer outro país, porque é a Rússia que se humilha. Seria melhor que nos pudéssemos concentrar em colocar a Rússia no seu lugar. Isso levaria à paz e salvaria vidas”, afirmou Kuleba no Twitter.

O Presidente francês repetiu na sexta-feira que não será necessário “humilhar a Rússia” — uma afirmação muito mal recebida no leste da Europa — “para que no dia em que terminem os combates, possamos encetar um caminho de saída pelas vias diplomáticas”.

Macron tem sido um dos poucos dirigentes internacionais a tentar manter um diálogo com o Presidente russo, Vladimir Putin.

A França tem dado apoio financeiro e militar à Ucrânia, mas Macron ainda não se deslocou a Kiev, como fizeram muitos outros líderes europeus.

Questionado sobre uma possível visita à Ucrânia, Macron disse na sexta-feira: “Hoje, não excluo nada”.

Recomendadas

Lukashenko: “Principal perigo na Ucrânia é que nazismo se transforme em fascismo”

O presidente da Bielorrússia prevê que o “fascismo” tenha que ser “combatido na Alemanha, França, Inglaterra, Espanha”.

Biden dá primeiro passo para Congresso avaliar ampliação da NATO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começou hoje o processo para que o Congresso americano avalie a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia.

Lukashenko acusa Kiev de disparar mísseis contra a Bielorrússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, afirmou hoje que o seu exército intercetou mísseis disparados da Ucrânia que se dirigiam contra a Bielorrússia.
Comentários