Kim Jong-un: míssil intercontinental era um “presente” de 4 de julho para os americanos

“Devia enviar-lhes presentes de vez em quando para os ajudar a sair do aborrecimento”, afirma o líder norte-coreano sobre o míssil balístico enviado esta quarta-feira.

KCNA/ via REUTERS

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, explicou esta madrugada a que se deveu o lançamento do míssil internacional. Afinal, era um “presente” por parte dos norte-coreanos para celebrar o célebre 4th July.

Os imbecis norte-americanos não devem estar muito felizes com o presente enviado para o aniversário do 4 de julho [Dia da Independência nos Estados Unidos da América]”, afirma o número um do governo de Pyongyang numa mensagem divulgada pela agência noticiosa estatal KCNA e transmitida pela imprensa internacional.

Kim Jong-un vai mais longe e afirma até que “devia enviar-lhes presentes [mísseis] de vez em quando para os ajudar a sair do aborrecimento”. Segundo a KCNA, o projétil em causa é capaz de transportar “uma carga explosiva nuclear grande e pesada.

A Coreia do Norte lançou ontem um míssil designado de Hwasong-14”, um gesto que depressa mereceu condenação por parte da comunidade internacional. O dispositivo voou 930 quilómetros (580 milhas) antes de pousar na Zona Económica Exclusiva do Japão.

Na sequência dos acontecimentos, que aconteceram no feriado americano, Tóquio condenou a ação norte-coreana e caracterizou-a de uma clara violação das resoluções da Organização das Nações Unidas. De acordo com o ministro da Defesa japonês, o míssil atingiu uma altitude superior a 2,5 quilómetros.

Ainda na terça-feira, Pequim manifestou a sua oposição à prova militar de Pyongyang, pedindo diretamente ao governo de que detenha de imediato as ações militares que sejam contrárias às resoluções emanadas do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o assunto.

Relacionadas

EUA e Coreia do Sul respondem à “provocação” da Coreia do Norte e mostram força conjunta

Washington e Seul “não toleram qualquer provocação da Coreia do Norte” e puseram os próprios exércitos à prova num lançamento conjunto de mísseis. Esta é a resposta dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, ao lançamento do míssil balístico intercontinental lançado esta segunda-feira, e que consideram “ações desestabilizadoras e ilegais” por parte do regime norte-coreano.

China e Rússia contra lançamento de míssil pela Coreia do Norte

Os dois países assinaram uma declaração conjunta em que repudiam o teste balístico – realizado no dia da independência dos Estados Unidos. Mas aconselham os norte-americanos e a Coreia do Sul a absterem-se de organizar exercícios militares na região.

Coreia do Norte volta a disparar míssil balístico

O presidente norte-americano, Donald Trump, respondeu na rede social Twitter: “Este tipo não tem nada melhor para fazer com a sua vida?”

Trump lança sério aviso à Coreia do Norte: “Paciência estratégica terminou”

Presidente norte-americano avançou o fim da era da paciência com a Coreia do Norte: “programas nuclear balístico desse regime exigem uma resposta determinada”.
Recomendadas

“A Reserva Federal tem corrido atrás do prejuízo”. Veja o “Mercados em Ação”

A Fed reuniu de emergência na segunda-feira. Esta semana no “Mercados em Ação”, o subdiretor do JE, André Cabrita-Mendes, juntamente com Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, e Nuno Sousa Pereira, da Sixty Degrees, analisam os efeitos das próximas decisões do banco central norte-americano.

“Jogo Económico”. “Não acredito que vamos banir a violência no futebol”, defende especialista

Vêm aí novas leis destinadas ao combate da violência no desporto e nesta edição, vamos conhecer ao detalhe as medidas que estão a ser preparadas para o Governo e perceber se se adequam à realidade do fenómeno em Portugal. Daniel Seabra, antropólogo e professor universitário com obra publicada sobre o fenómeno das claques em Portugal, foi o convidado da última edição do “Jogo Económico”.

Fed, BCE, reviravolta no Reino Unido, eleições no Brasil e saída do CEO da Galp. Veja o “Mercados em Ação”

A decisão da Fed e a próxima reunião do BCE. A queda da libra e as eleições no Brasil, mais a saída de Andy Brown da Galp. André Cabrita-Mendes, subdiretor do JE, e Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, analisam estes temas em conjunto com Nuno Sousa Pereira da Sixty Degrees.
Comentários