KKR prepara OPA para tirar Telepizza do mercado bolsista espanhol

A KKR reforçou o seu capital da Telepizza a 17 de maio e passou a controlar 26,31% da empresa. A KKR, e os seus parceiros, devem oferecer aos acionistas um mínimo de 5,8 euros por ação.

A KKR, uma empresa de private equity dos Estados Unidos, lidera um consórcio de fundos de capital de risco, que está a preparar uma nova oferta com o objetivo de tirar a Telepizza do mercado bolsista.

De acordo com o “Cinco Días”, suplemento de economia do “El País”, fontes próximas da empresa indicaram que vão tentar obter 100% das ações da empresa. A KKR entrou na recapitalização que a Telepizza fez no final de 2014.

Os alarmes soaram quando, apenas cinco minutos antes do fecho do mercado, a Comissão Nacional de Mercado de Valores (CNVM) decidiu suspender a negociação da Telepizza. Em seguida, as ações subiram 7,45% para 4,83 euros por ação – subiram 11,23%, apesar de um início de sessão com perdas.

A KKR reforçou o capital na Telepizza a 17 de maio deste ano e passou a controlar 26,31%, face aos anteriores 20,24%.  Mas para lançar uma oferta pública de aquisição (OPA), a KKR precisa de 30%, percentagem que a lei exige para lançar uma oferta pública de aquisição obrigatória.

Em maio, a Telepizza desembolsou cerca de 5,8 euros por ação, 16,7% a mais que do que o fecho de ontem. A OPA exige que, se algum acionista fizer uma oferta à uma empresa, deverá fazê-lo a um preço mais alto que o valor das ações que pagou nos últimos 12 meses. Ou seja, a KKR  os seus parceiros devem oferecer aos acionistas um mínimo de 5,8 euros por ação. Isso implica um prémio minoritário de mais de 16%. A empresa fechou ontem com um valor de cerca de 450 milhões e os investidores devem pagar cerca de 600 milhões.

Relacionadas

Do rumor da OPA à suspensão da negociação. Como foi o dia louco da Telepizza em Espanha

Com esta operação, o fundo KKR, que detém 26,3% da Telepizza, que corresponde a 126,4 milhões de euros, pretende retirá-la de bolsa.

Pizza Hut e Telepizza concluem aliança estratégica

Acordo prevê a abertura de 1.300 lojas do Grupo Telepizza na próxima década, especificamente nos mercados abrangidos pelo acordo: Espanha, Portugal, América Latina (excluindo o Brasil), Caribe e Suíça.

Telepizza cai 4% em bolsa com investigação do regulador espanhol

O regulador dos mercados espanhol abriu um processo de sanção à empresa que poderá levar a uma multa por infração muito grave. Em causa está a renúncia de Marcos de Quinto como diretor independente, em maio.

Telepizza e Pizza Hut alcançam acordo para crescer na Europa e América Latina

Com este acordo a Pizza Hut consolida a posição de maior cadeia de restaurantes de pizza do mundo. Já para a Telepizza, esta parceria significa que vai abrir pelo menos 1.300 novos establecimentos na América Latina (excluindo o Brasil), Caraíbas e em Portugal, Espanha, Andorra e Suíça, nos próximos dez anos.

Guerra de pizzas. Pizza Hut pode controlar Telepizza mas franchisados querem garantias

A Telepizza quer estender a aliança corporativa que está a negociar com a Yum!, a empresa-mãe da Pizza Hut, na América do Sul, a Portugal e Espanha.
Recomendadas

Venezuela prepara acordos com petrolífera Chevron após alívio de sanções

A Venezuela anunciou hoje que vai assinar, nas próximas horas, acordos com a petrolífera norte-americana Chevron para impulsionar o desenvolvimento local de empresas mistas (capital público e privado) e a produção de petróleo.

“Via Verde rejeita categoricamente qualquer acusação de burla” que circule no Portal da Queixa

“Sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema”, justifica. “Este alerta visa sempre proteger os clientes. Se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo”, esclarece fonte oficial da empresa ao JE.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.
Comentários