Klarna permite pagamentos faseados em 870 marcas em Portugal (com áudio)

Prestes a completar o primeiro ano de operação em Portugal, a fintech sueca ultrapassou a marca dos 200 mil utilizadores nacionais da aplicação que permite dividir os pagamentos em três fases.

A empresa sueca Klarna, que está prestes a completar o primeiro ano de operação em Portugal, revelou esta quarta-feira que já são mais de 200 mil os consumidores portugueses que têm uma conta ativa na fintech que lhes dá flexibilidade de decidir como e em quantas vezes querem pagar as suas compras.

Em termos de empresas, a Klarna trabalha atualmente com mais de 870 marcas em Portugal, entre as quais a Samsung, a About You, a Adidas, a Showroomprive, a Emma Sleep, a Gato Preto, a Xiaomi Store, a Sklum, entre outras.

“O panorama de consumo em todo o mundo, não apenas em Portugal, está cada vez mais delicado, pela inflação que se faz sentir em muitos mercados. Com a Klarna, são mais de 200 mil os consumidores portugueses que podem utilizar a nossa solução para aliviar os orçamentos pessoais, não deixando de consumir produtos de que necessitam”, destaca o country manager da Klarna em Portugal, Alexandre Fernandes, em comunicado enviado à imprensa.

O negócio da Klarna, chamado BNPL – Buy Now Pay Later (“compre agora pague depois”), chegou a Portugal em novembro de 2021 e hoje os clientes nacionais têm disponíveis vários serviços, nomeadamente o célebre “Pay in 3” (“Paga em três vezes”), que permite aos consumidores dividirem os pagamentos das suas compras em três prestações sem juros nem comissões, e o “Pay Now” (“Paga agora”) para pagamentos instantâneos.

“A adesão das marcas à Klarna no mercado português tem também superado as nossas expectativas daquele que seria o nosso primeiro ano em território nacional. As marcas compreendem que, com a Klarna, proporcionam aos consumidores maior flexibilidade, conveniência, escolha e controlo”, garante Alexandre Fernandes.

Este verão, a empresa anunciou uma nova ronda de investimento de 800 milhões de dólares (cerca de 796 milhões de euros), que foi a maior de sempre, mas fez tombar a avaliação de mercado da fintech em 85%.

A empresa com sedes em Estocolmo e Berlim vale neste momento 6,7 mil milhões de dólares (6,7 mil milhões de euros), quando até então valia mais de 40 mil milhões de dólares (40 mil milhões de euros) por causa injeção de 639 milhões de dólares euros (636 milhões de euros) liderada pelos japoneses do SoftBank, no ano passado – o capital que permitiu a tal entrada em Portugal.

Klarna. Fintech mais valiosa da Europa abre centro de desenvolvimento em Lisboa e cria até 500 empregos

Relacionadas

PremiumEasypay alia-se à Sonae no “compre agora pague depois”

A empresa portuguesa de pagamentos e marca de cartões Universo fizeram um acordo para que os consumidores possam pagar as suas compras em 24 vezes (ou três partes sem juros), à moda da Klarna ou da Apple Pay Later.
Recomendadas

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.

Marcas vs Catar: o difícil equilibrismo das maiores marcas do mundo. Veja o “Jogo Económico”

Do equilibrismo de quem patrocina a prova à anti-campanha de quem está de fora, estes dias estão entregues a uma espécie de Mundial de marcas com desfecho imprevisível. Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM e Henrique Tomé, analista da corretora XTB, são os convidados desta edição.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários