Kremlin adverte Ocidente: “Não vos aconselho a continuarem a testar a nossa paciência”

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, considera que o presidente ucraniano está a ser utilizado pelos EUA para ameaçar a Rússia. Dmitry Peskov considera que o fornecimento de armas ocidentais à Ucrânia representa uma ameaça para a segurança do continente europeu.

O Kremlin advertiu esta quinta-feira o Ocidente para uma possível resposta militar perante qualquer novo ataque ao território russo, acusando os Estados Unidos e os seus principais aliados europeus de incitarem a Ucrânia a atacar a Rússia.

Nos últimos dias, a Rússia denunciou uma série de ataques regiões russas que fazem fronteira com a Ucrânia, acusando as forças militares ucranianas de serem responsáveis pelos mesmos.

“No Ocidente, estão a apelar abertamente a Kiev para atacar a Rússia, inclusive com o uso de armas recebidas de países da NATO”, disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, deixando uma mensagem direta ao Ocidente. “Não vos aconselho a continuarem a testar a nossa paciência”, disse Zakharova.

Na terça-feira, o ministério da Defesa russo ameaçou que Moscovo poderá atacar “centros de tomada de decisão”na Ucrânia onde os conselheiros ocidentais estão a ajudar Kiev.

“Kiev e as capitais ocidentais deveriam levar a sério a declaração do ministério da Defesa de que o incitamento adicional da Ucrânia a atacar o território russo levará definitivamente a uma resposta dura da Rússia”, sublinhou Zakharova.

Nas palavras de Zakharova, Volodymyr Zelensky é um fantoche do Ocidente que está a ser utilizado pelos Estados Unidos para ameaçar a Rússia.

Kremlin diz que armamento da Ucrânia é ameaça para segurança da Europa

Por sua vez, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, considera que o fornecimento de armas ocidentais à Ucrânia representa uma ameaça para a segurança do continente europeu.

“A tendência para entregar armas, incluindo armas pesadas na Ucrânia, são ações que ameaçam a segurança do continente, provocando instabilidade”, disse o diplomata russo.

As declarações de Peskov seguiram-se aos comentários feitos na quarta-feira pela secretária dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido.

Liz Truss afirmou que os países que se opõem à invasão russa da Ucrânia devem “aumentar” a produção militar para ajudar o país, incluindo através do fornecimento de armas pesadas, tanques e aviões.

Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários