Kremlin culpa os europeus pela suspensão de fornecimento ao Nord Stream 1

Um porta-voz do Kremlin reiterou que a manutenção do Nord Stream 1 só será possível se a Europa cumprir com a sua parte, fazendo a manutenção dos equipamentos pertencentes à Gazprom.

Reuters

A Rússia culpa os políticos europeus pela suspensão do fornecimento do gasoduto Nord Stream 1. De acordo com o Kremlin, as sanções económicas aplicadas pelo ocidente dificultaram a sua manutenção por parte da empresa estatal Gazprom, relata a “Reuters”.

De recordar que o gasoduto, que faz ligação entre a Rússia e a Alemanha pelo mar Báltico, está suspenso por tempo indeterminado desde sexta-feira. Em causa está uma fuga de combustível numa turbina, alegam, que impede que os fluxos se realizem em segurança. O problema terá de ser resolvido pela gigante do sector do gás, a Gazprom, para que os fluxos poderem ser retomados.

“Se os europeus tomam a decisão absolutamente absurda de recusarem fazer a manutenção dos seus equipamentos, ou melhor, de equipamentos que pertencem à Gazprom, que são obrigados a fazer a manutenção, isso não é culpa da Gazprom”, disse um porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, numa entrevista à televisão estatal russa, segundo noticia a agência de notícias “Interfax”, citada pela “Reuters”.

“É culpa desses políticos, que tomaram as decisões das sanções”, sublinha.

O vice primeiro ministro russo, Alexander Novak, fez saber, também ele em declarações à televisão estatal, que a Siemens Energy terá que cumprir os termos acordados para a manutenção da infraestrutura para que o equipamento volte a estar operacional.

Recomendadas

Eleições do Brasil: Lula recupera e segue na frente com 70% dos votos contados

A segunda volta parece cada vez mais forte numa altura em que os dois candidatos estão taco a taco nos 45%, mas com Lula da Silva, do PT, a tomar a dianteira.

Eleições do Brasil: Bolsonaro mantém-se na liderança com 50% dos votos contados

A segunda volta é cada vez mais certeira, quando a contagem dos votos prossegue e a distância entre os dois principais candidatos à Presidência do Brasil diminui.

Eleições do Brasil: Primeiros números oficiais dão liderança a Bolsonaro sem maioria absoluta

Às 21h30, pouco mais de 1% dos votos válidos estavam contados. Em Lisboa, as urnas fecharam pelas 20:00, após o encerramento ser prolongado devido à forte afluência.
Comentários