Kremlin já reagiu: entrada da Finlândia na NATO é uma ameaça à Rússia (com áudio)

Segundo o porta-voz da Presidência russa agora o Kremlin vai avaliar a situação e estabelecer as “medidas necessárias para equilibrar a situação e garantir a segurança” da Rússia.

A Rússia considera a decisão da Finlândia de solicitar a adesão à NATO como uma ameaça, conforme explicou a Dimitri Peskov, o porta-voz da Presidência russa, segundo o “La Vanguardia”.

Na perspetiva do Kremlin a expansão do bloco militar ocidental não tornará a Europa e o mundo mais estáveis e as ações futuras de Moscovo dependerão de como o “processo de expansão” se desenrolar.

“A NATO está a mover-se na nossa direção. Portanto, estes elementos vão ser analisados de forma especial e tidos em conta no desenvolvimento de medidas necessárias para equilibrar a situação e garantir a nossa segurança”, disse Peskov. O porta-voz da Rússia acrescentou que existe uma ordem de Putin para fortalecer as fronteiras ocidentais da Rússia.

As declarações de Dimitri Peskov sucedem o anúncio da Finlândia, esta quinta-feira, sobre a intenção de avançar com o processo de adesão à NATO, uma candidatura que deve acontecer “sem demoras”. 

“A adesão à NATO fortaleceria a segurança da Finlândia. Enquanto membro da NATO, a Finlândia poderia fortalecer toda a sua linha de defesa. A Finlândia deve candidatar-se à NATO sem demoras. Esperemos que os passos a serem dados nacionalmente sejam dados nos próximos dias”, referiram os líderes do país nórdico.

O avanço da Finlândia e Suécia para a NATO tem sido alvo de diversas alertas por parte do Kremlin. Antes dos mais recentes comentários de Peskov, a 4 de maio a porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, ameaçou a Finlândia e a Suécia, caso os dois países aderissem à NATO. De acordo com Zakharova se os países avançarem haverão “consequências”.

Relacionadas

“Sem demoras”. Finlândia vai avançar com candidatura à NATO (com áudio)

Desde que o país de Vladimir Putin invadiu a Ucrânia, a 24 de fevereiro, o apoio público à adesão cresceu até aos 80% em algumas sondagens, face aos 30% pré-conflito. 
Recomendadas

Ucrânia: Alemanha cria ‘ponte ferroviária’ para as exportações de cereais

A Alemanha criou uma ‘ponte ferroviária’ com a Ucrânia para a ajudar a exportar os seus cereais, indicou uma fonte militar dos Estados Unidos.

Putin desvaloriza sanções e agradece saída de empresas estrangeiras do país

Putin classificou a invasão da Ucrânia como um ponto de viragem na história russa: uma revolta de Moscovo contra os Estados Unidos, que afirma ter humilhado a Rússia desde a queda da União Soviética em 1991.

É britânico, filho de veterano da Royal Air Force, mas agora dá voz a vídeos de propaganda russa

A justificação apresentada por Putin para a realização da “operação militar especial” no país vizinho – desnazificação da Ucrânia – é uma das mensagens presentes no vídeo insiste. “Hoje, na Ucrânia, os nazis e os seus lacaios nacionalistas fascistas são aclamados como heróis”, diz Grant.  
Comentários