Kyiv condena “detenção ilegal” do diretor geral da central de Zaporíjia

A Ucrânia condenou este sábado a “detenção ilegal” do diretor geral da central nuclear da Zaporijia, Ihor Mourachov, que foi preso na sexta-feira pela Rússia, que controla o local.

Photo by Zaporizhzhia Nuclear Power Plant/Anadolu Agency via Getty Images)

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia “condena com veemência a detenção ilegal” de Ihor Mourachov, diretor da maior central de energia nuclear da Europa.

A central nuclear da Zaporijia, está ocupada, desde 4 de março, por tropas russas e, nos últimos meses, tem sido atingida por bombardeamentos dos quais Kyiv e Moscovo se acusam mutuamente.

A Ucrânia acusou hoje a Rússia de ter sequestrado o diretor da central nuclear da Zaporíjia, horas depois de o Presidente russo, Vladimir Putin, ter formalizado a anexação daquela região ucraniana.

A empresa estatal Energoatom, que gere as centrais nucleares ucranianas, disse que tropas russas pararam o carro de Ihor Mourachov, na sexta-feira à tarde, vendaram-no e levaram-no para um local desconhecido.

“A sua detenção põe em risco a segurança da Ucrânia e da maior central nuclear da Europa”, disse o presidente da Energoatom, Petro Kotin, citado pela agência norte-americana AP.

Kotin exigiu a libertação imediata de Mourachov.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) contactou as autoridades russas para obter esclarecimentos que responderam que Ihor estava detido para “responder a perguntas”.

A Ucrânia tem quatro centrais nucleares em funcionamento, com um total de 15 reatores, seis dos quais na de Zaporijia, que está ocupada por tropas russas.

A situação na central de Zaporijia tem causado preocupação generalizada desde o início da guerra, com ucranianos e russos a acusarem-se mutuamente de ataques contra o complexo, que podem causar um desastre nuclear.

O Presidente russo, Vladimir Putin, assinou, na sexta-feira, o tratado de integração de Zaporijia na Federação Russa, juntamente com as regiões de Donetsk, Lugansk e Kherson.

A decisão seguiu-se a referendos realizados em tempo de guerra, cuja legitimidade foi rejeitada pela Ucrânia e pela comunidade internacional.

A Rússia usou o mesmo método para anexar a península ucraniana da Crimeia, em 2014.

O conflito atual na Ucrânia foi desencadeado pela invasão russa do país vizinho, em 24 de fevereiro deste ano.

Recomendadas

Ucrânia: Sistema energético estabilizado após dias sem luz devido a ataques russos

A invasão foi condenada pela comunidade internacional, que respondeu, com destaque para a União Europeia e os Estados Unidos, com ajuda militar, humanitária e económica a Kiev e a imposição de sanções económicas e políticas sem precedentes a Moscovo.

Ucrânia: Rússia anuncia morte de “uma centena de mercenários estrangeiros” em Donetsk

“Até 100 mercenários estrangeiros e seis veículos blindados foram destruídos na área de Chasiv Yar em resultado de um ataque com armas de alta precisão das forças aeroespaciais russas nos locais temporários de treino dos chamados milicianos da Legião Estrangeira”, declarou o porta-voz do exército russo, general Igor Konashenkov.

União Europeia paga transporte de cereais ucranianos para países vulneráveis

A iniciativa pretende fornecer cereais gratuitos a pelo menos cinco milhões de pessoas, em países como o Sudão, o Iémen, o Quénia e a Nigéria até ao final da primavera de 2023.
Comentários