Lagarde: “Não sou nem um falcão, nem uma pomba. A minha ambição é ser uma coruja”

A nova presidente do Banco Central Europeu, que diz ter o seu “próprio estilo”, não quer ser comparada com os anteriores presidentes da instituição. “Irei ser eu própria e por isso diferente”, garantiu.

A primeira reunião do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE) com Christine Lagarde a presidir à instituição não trouxe novidades nas decisões de política monetária da zona euro, mas na (aguardada) conferência de imprensa a francesa deixou claro que quer deixar a sua própria marca em Frankfurt.

“Tenho o meu próprio estilo”, garantiu Christine Lagarde, pedindo para não ser comparada com anteriores presidentes do BCE. “Não cruzem referências. Irei ser eu própria e por isso diferente”, frisou.

A sucessora do Mario Draghi, que assumiu funções a 1 de novembro, garantiu ainda que não terá problemas em admitir “quando não souber algo”, apelando a que os decisores políticos, jornalistas e analistas não interpretem de forma fechada os seus discursos.

“Não sou nem um falcão, nem uma pomba. A minha ambição é ser uma coruja”, disse em alusão às divisões e posições dos membros do Conselho de Governadores sobre a política monetária da zona euro.

(Em atualização)

Recomendadas

OE2022: Segurança Social regista excedente de 3.358 milhões de euros até outubro

A receita da Segurança Social aumentou em 9,1% e atingiu os 28.387,7 milhões de euros até outubro, enquanto a despesa caiu 0,5% para 25.030,1 milhões de euros, de acordo com a síntese divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

OE2022: Pagamentos em atraso sobem para 978,7 milhões de euros até outubro

“No final de outubro os pagamentos em atraso das entidades públicas ascenderam a 978,7 milhões de euros, o que representa um aumento de 199,6 milhões de euros relativamente ao período homólogo e um aumento de 74,6 milhões de euros face ao final do mês anterior”, pode ler-se no documento hoje divulgado pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Comentários