Lagarde sublinha necessidade de manter “gradualismo e condicionalidade” na política monetária (com áudio)

A presidente do BCE reforçou o compromisso do banco com o alívio da inflação e com a “adequada transmissão de política monetária”, sublinhando a necessidade de evitar uma fragmentação das dívidas soberanas da zona euro.

Christine Lagarde garante que o Banco Central Europeu (BCE) tudo fará para assegurar a correta transmissão da política monetária, reforçando a necessidade de evitar uma fragmentação entre as dívidas soberanas dos Estados-membros da moeda única, e de manter o gradualismo e a condicionalidade na sua abordagem.

Num discurso feito esta terça-feira no Fórum de Bancos Centrais, em Sintra, a presidente do BCE destacou o esperado plano de normalização da política monetária que deve arrancar já em julho, com 25 pontos base (p.b.) de subida, e manteve em aberto a possibilidade de incrementos mais expressivos caso os dados não mostrem uma melhoria substancial do cenário.

“O processo de normalização continuará de uma forma determinada e sustentada, mas não pode, dado o cenário, ser definido ex-ante”, explicou Lagarde, justificando a necessidade de manter em aberto todas as possibilidades.

Assim, “o ponto de arranque de cada reunião [do Conselho do BCE] será a avaliação dos choques”, bem como as expectativas de médio-prazo para a inflação, um indicador que, caso deixe de ficar ancorado não objetivo de 2%, pode gerar “espirais autorrealizáveis” de subida de preços.

Por outro lado, “se os spreads de determinados países responderem rápida e desorganizadamente, a nossa capacidade de transmissão de políticas fica diminuída”, pelo que a garantia de unidade é fundamental. Neste capítulo, Lagarde realçou o reinvestimento dos montantes relativos a títulos detidos pelo BCE que atinjam a maturidade, mas também o novo mecanismo anti-fragmentação que o banco central está a estudar.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Preços das importações crescem mais do que as das exportações e agravam perda dos termos de troca de Portugal

Os preços implícitos das importações subiram 26%, enquanto os das exportações aumentaram 18,6%. Resultado? Agravou-se a perda dos termos de troca de Portugal, o que vem acontecendo há vários meses, sobretudo, por efeito da crise energética.

Taxas de juro implícitas no crédito à habitação sobem para 0,912% em julho

Num boletim divulgado esta manhã, o INE revela que, nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro ascendeu a 1,289%, uma percentagem correspondente a um aumento de 13,1 p.b. em relação ao registado em junho.
Comentários