Lapid diz que Israel “cumpriu todos os objetivos” no ataque à Faixa de Gaza

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid afirmou hoje que a Operação Amanhecer contra a Jihad Islâmica em Gaza “cumpriu todos os seus objetivos” e que a totalidade do alto comando militar do grupo “foi atacado com êxito em três dias”.

“Israel recuperou a iniciativa e restaurou a sua capacidade de dissuasão. Todos os nossos objetivos foram cumpridos. Todo o alto comando militar da Jihad Islâmica em Gaza foi atacado com êxito em três dias. A força e o engenho do exército israelita impuseram um golpe devastador ao inimigo”, assegurou Lapid numa declaração transmitida pela televisão.

Numa reação a estes ataques, deputados da lista conjunta árabe-israelita acusaram o primeiro-ministro israelita de ter desencadeado esta mais recente ofensiva militar na Faixa de Gaza para ganhar votos nas próximas eleições legislativas, previstas para 01 de novembro.

Esta ofensiva “foi feita à custa de sangue palestiniano” num contexto em que a sociedade israelita “perdeu a sua humanidade” por apoiar o ataque, referiu o deputado árabe-israelita Sami Abu Shehade, em declaração ao diário The Times of Israel.

“As últimas sondagens penalizaram Lapid e [o ministro da Defesa, Benny] Gantz, pelo que “tentam manter-se no poder à custa de sangue palestiniano”, prosseguiu.

Antes, e numa entrevista à televisão pública israelita Kan, Abu Shehade tinha qualificado de “crime de guerra” a designada Operação Amanhecer, que de sexta-feira a domingo provocou a morte de pelo menos 44 palestinianos, incluindo 15 crianças, e deixou cerca de 350 civis feridos. Não foram anunciadas baixas do lado israelita.

Israel promoveu na sexta-feira uma “operação preventiva” contra a Jihad Islâmica, ao considerar existir um “risco iminente” de um ataque deste grupo contra a população civil israelita, em represália pela detenção dias antes do líder do movimento na Cisjordânia, Basam al Sadi.

Após dias e semanas de tensão, Israel bombardeou na sexta-feira um edifício residencial onde se encontrava Taysir al Ybari, comandante no norte de Gaza das Brigadas Al-Quds, braço armado da Jihad Islâmica, matando este dirigente e mais 15 pessoas.

No sábado, no decurso de constantes bombardeamentos aéreos sobre o enclave, o exército do Estado judaico matou o comandante do sul de Gaza, Khaled Mansour, e eliminou a liderança militar do grupo que Israel considera um aliado do Irão e atua na fronteira com o seu território.

Lapid insistiu que Israel mantém uma “política de tolerância zero com o terrorismo”, e à margem da ofensiva em Gaza também foram detidos na Cisjordânia ocupada dezenas de suspeitos de pertencerem à Jihad Islâmica.

Ainda hoje, pela madrugada, o exército israelita destruiu na Cisjordânia duas casas de familiares de dois jovens palestinianos acusados de envolvimento em ataque contra civis.

“Quem tentar provocar-nos danos, pagará com a sua vida”, asseverou Lapid, que também agradeceu ao Egito pelo seu “papel ativo” como mediador no cessar-fogo, firmado a noite de domingo, esforços em que também estiveram envolvidos o Qatar e a ONU.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários