Larfa Properties investe seis milhões na reabilitação do Convento do Beato para o modernizar

No exterior, esta remodelação contemplou ainda “a construção de uma nova área de estacionamento, com cerca de 80 lugares, a poente da igreja, numa zona anteriormente ocupada por armazéns devolutos”.

Foto Convento do Beato

O Grupo Larfa Properties, empresa imobiliária privada especializada em aquisição, desenvolvimento e propriedade de longo prazo, investiu seis milhões de euros no projeto de reabilitação total do Convento do Beato, para “modernizar este que é um dos locais para eventos mais emblemáticos de Lisboa”.

“O principal objetivo desta intervenção foi dotar o Convento do Beato de todas a condições e infraestruturas capazes de transformar o local num dos melhores espaços para eventos não só da capital, mas da Europa, sempre com a preocupação máxima de manter as suas características próprias que fazem dele uma referência nessa área”, explica o promotor imobiliário em comunicado.

O Grupo Larfa Properties explica que, “em termos gerais, o projeto de renovação do Convento do Beato incluiu, por um lado, uma intervenção mais técnica, relacionada com a substituição das instalações de telecomunicações, energia e segurança, a reabilitação da cozinha, a alteração de vãos e guardas, entre outros, e por outro, uma componente mais criativa, relacionada com o desenho do edifício administrativo, dos pátios, das novas instalações sanitárias e de determinados elementos especiais, como os passadiços para as saídas de emergência da biblioteca”.

No exterior, esta remodelação contemplou ainda “a construção de uma nova área de estacionamento, com cerca de 80 lugares, a poente da igreja, numa zona anteriormente ocupada por armazéns devolutos”.

Esta obra vai melhorar aquele que é hoje um centro de eventos. Em comunicado, a Larfa Properties diz que “beneficiando de um histórico de 33 anos de experiência, alavancado pela escassez de espaços que consigam receber até 5.000 pessoas, o Centro de Eventos torna-se num local muito atrativo para a realização de eventos de grande dimensão. Além de estar inserido numa zona da cidade com grande potencial de desenvolvimento”.

“O nosso objetivo é posicionar o Convento do Beato como um local moderno e atrativo para receber qualquer tipo de evento. Para isso, instalamos novos equipamentos e implementámos os melhoramentos necessários para o seu funcionamento, sem, contudo, descaracterizar espaços absolutamente notáveis do ponto de vista patrimonial e arquitetónico”, refere Stéphane Delplancq, CEO do Grupo Atrya e Larfa Properties, que se diz “muito satisfeito” por ter conseguido atingir esse objetivo.

“A transformação mais importante ocorreu no claustro cuja cobertura foi totalmente substituída, apresentando-se agora com características mais contemporâneas que valorizam o espaço, o que nos permitiu também melhorar o sistema de climatização”, acrescenta o CEO do Grupo Atrya e Larfa Properties.

Recorde-se que em 2018 o grupo suíço Larfa Properties comprou ao grupo agroalimentar Cerealis, dono das marcas Milaneza e Nacional, por um valor não revelado na altura, o Convento do Beato e a área envolvente.

Dando continuidade ao projeto iniciado em 2018, “o Grupo Larfa Properties é responsável pela gestão do espaço, contando para isso com uma equipa profissional com elevada experiência acumulada na gestão do Convento Beato para garantir uma forte capacidade de resposta, com o intuito de captar novas oportunidade e, deste modo, alargar a carteira de clientes”, lê-se no comunicado do promotor imobiliário.

Recomendadas

Cortiça da Amorim utilizada nos novos veículos 100% elétricos do Grupo Renault

“A imperiosa necessidade de descarbonizar a economia torna a cortiça um material indispensável nesta urgente mudança de paradigma. Os infindáveis atributos da cortiça estão ao dispor de um Planeta mais sustentável”, defende António Rios de Amorim.

Renting, Factoring e Leasing Imobiliário crescem dois dígitos até setembro

O total do sector significou 30,5 mil milhões de euros, 23,8% acima dos cerca de 24,7 mil milhões dos três trimestres do ano passado e do valor similar de 2019. O maior impulso veio do confirming (serviço de gestão de pagamentos devidos aos fornecedores, permitindo ao cliente do confirming libertar capital para outras áreas).

Respostas rápidas. Como vai funcionar a plataforma de cessação de contratos com as operadoras de comunicações?

Todos os operadores de comunicações eletrónicas ficam sujeitos à nova plataforma, que surgiu com o propósito de fazer valer os direitos dos consumidores, segundo pode ler-se em “Diário da República”.
Comentários