Lavrov acusa os EUA de “brincarem com o fogo” em Taiwan

Sergei Lavrov diz que os EUA estão a tentar fazer do mundo “o seu quintal” através da aplicação de sanções e acusa-os de “brincarem com o fogo” em Taiwan.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov, criticou este sábado os Estados Unidos por terem “brincado com o fogo” em Tawain. Estas declarações foram proferidas num encontro das Nações Unidas.

De acordo com a Reuters, o discurso deste responsável russo ficou marcado por duras críticas a Washington, tendo Sergei Lavrov acusado os Estado Unidos de estarem a tentar transformar o mundo “no seu quintal” por via da aplicação das sanções.

Convém explicar que, na sequência da invasão russa da Ucrânia, os Estados Unidos (à semelhança da União Europeia) avançaram com várias sanções contra Moscovo. O conflito no leste europeu continua, ainda assim, em curso.

Quanto a Taiwan, recorde-se que a visita, no início de agosto, da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, gerou fortes protestos por parte do Governo chinês, que considerou a viagem uma provocação. A China lançou exercícios militares em torno da ilha, numa escala sem precedentes, e, mais recentemente, considerou a legislação proposta pelos norte-americanos uma ameaça à “fundação” das relações entre Pequim e Washington.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo acusou também o Ocidente de “russofobia sem precedentes” e “grotesca”. “A russofobia oficial no Ocidente não tem precedentes, a sua dimensão é grotesca”, declarou Lavrov, ao discursar na 77.ª sessão da Assembleia Geral da ONU.

Recomendadas

Mundial2022: Qatar condena campanha “infundada” em resposta a críticas do PE

O Qatar condenou a resolução adotada na semana passada pelo Parlamento Europeu (PE) criticando a sua escolha como sede do Mundial de futebol em curso e denunciou uma campanha “infundada” assente em “acusações falsas e informação enganosa”.

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.
Comentários