Lavrov elogia laços Moscovo-Pequim e acusa Estados Unidos de provocações

Chefe da diplomacia russa diz que o Ocidente está a procurar formas de aumentar a tensão com a China numa série de questões, incluindo Taiwan e o Tibete. Em paralelo ao Fórum de Davos, Lavrov falou de uma nova ordem mundial.

POOL/Reuters

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov, voltou esta quarta-feira a abordar a questão do suposto fortalecimento dos laços estratégicos entre a Rússia e a China: para além de ter referido como evidência desses laços os exercícios militares conjuntos realizados no ano passado, acusou o Ocidente de tentar encontrar formas de aumentar a tensão com a China, nomeadamente através das questões de Taiwan e do Tibete.

Para Lavrov, que falava em conferência de imprensa em Moscovo, a China é já poderosa demais para os Estados Unidos a enfrentarem por conta própria, pelo que então Washington está a “mobilizar” o Ocidente para apoiar a sua agenda anti-Pequim.

Esta parte das invetivas de Lavrov parece evidente, mas o que o ministro não disse foi que Pequim segue mantendo uma grande cautela em relação à Rússia. Para além de ser claro para todos que os exercícios militares conjuntos se esgotam em si próprios – a China recusa qualquer apoio militar à invasão da Ucrânia – Lavrov não quis recordar que, no último encontro (não presencial) entre Xi Jinping e o seu homólogo russo Vladimir Putin, o presidente chinês não aceitou a proposta de visitar oficialmente Moscovo.

É certo que à medida que a guerra na Ucrânia avança, a China e a Rússia deixaram de lado décadas de desconfiança mútua e intensificaram relações bilaterais – nomeadamente em termos de compra de petróleo russo por parte de Pequim. Mas os exercícios militares faziam parte da política externa dos dois países anterior à guerra e o seu cancelamento seria um sinal que a China não quis dar ao Ocidente.

Lavrov recordou ainda que os dois países assinaram uma parceria “sem limites” em fevereiro passado, dias antes de Moscovo iniciar a invasão e durante a abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno – mas esses limites foram de imediato estabelecidos a partir de 24 desse mês, data em que a invasão teve início.

O próprio Vladimir Putin reconheceu publicamente que o seu homólogo chinês tem “preocupações” com as ações da Rússia na Ucrânia. Mas Lavrov alertou para que que o confronto da Rússia com o Ocidente sobre a Ucrânia faz parte de uma mudança política global que evoluirá por um longo período. “O processo de formação de uma ordem mundial multipolar será longo; vai demorar uma década. E estamos no meio desse processo”, afirmou.

Enquanto o referido Ocidente está mais uma vez reunido em Davos, Suíça, Lavrov  citou os esforços ocidentais para dificultar a ampliação da cooperação entre a Rússia e a China, afirmando que não teriam sucesso. As relações da Rússia com o Ocidente “nunca mais serão as mesmas”, afirmou, ao acusar o Ocidente de não cumprir os acordos assinados com Moscovo. “Nunca mais haverá situações em que se assinam documentos e depois se recusa o seu cumprimento”, disse.

No mês passado, as marinhas chinesa e russa realizaram exercícios conjuntos no Mar da China Oriental. De acordo com o Comando Oriental da China do Exército Popular de Libertação, os exercícios foram planeados para demonstrar “a determinação e a capacidade dos dois países para responder conjuntamente às ameaças à segurança marítima”.

Em junho, a NATO assumiu a China como o seu mais importante desafio estratégico, dizendo que as ambições e “as políticas coercitivas” de Pequim minavam os “interesses, segurança e valores” do bloco militar ocidental.

 

Recomendadas

Ucrânia: Scholz apela à confiança dos alemães na decisão de enviar tanques

“Confie no Governo, confie também em mim! Tomamos decisões que são sempre consideradas e coordenadas a nível internacional”, disse, referindo-se à decisão anunciada esta semana.

Vídeo de violência policial nos EUA gera protestos em várias cidades

Centenas de pessoas saíram para protestar em várias cidades dos EUA, incluindo Nova Iorque, Atlanta, Washington D.C. e Detroit.

General dos EUA alerta para risco elevado de guerra com a China em 2025

A corrida para a Casa Branca, marcada para o mesmo ano, oferecerá uma “América distraída” em relação à China.
Comentários