Legalworks assessora produtora Sagesse nas gravações de “Velocidade Furiosa 10” em Portugal

O escritório fundado por Rui Gomes da Silva foi responsável pela elaboração e adequação dos contratos que acompanharam a produção, nomeadamente as negociações com a Norscut, no âmbito da utilização da A24.

A sociedade de advogados Legalworks – Gomes da Silva anunciou esta terça-feira que prestou assessoria legal à Sagesse Productions na produção do mais recente filme da saga “Velocidade Furiosa” (“Fast and Furious 10”) em Portugal.

A equipa jurídica, liderada pelo associado Afonso Gomes da Silva, trabalhou na articulação com todas as partes envolvidas e na interação com a produção internacional, em Londres e nos Estados Unidos.

Segundo a Legalworks, Afonso Gomes da Silva tem “experiência anterior no apoio a produções internacionais cinematográficas de relevo”.

O escritório fundado por Rui Gomes da Silva foi responsável pela elaboração e adequação dos contratos que acompanharam a produção, nomeadamente as negociações com a Norscut, no âmbito da utilização da A24, bem como na coordenação de todos os contratos com fornecedores e localizações utilizadas para as gravações.

As filmagens da longa-metragem “Velocidade Furiosa 10” decorreram durante um mês em Lisboa e nas regiões norte e centro de Portugal, tendo sido concluídas a 2 de agosto e contado com a colaboração de vários municípios, por onde circularam e trabalharam cerca de 700 profissionais portugueses e estrangeiros. O orçamento foi de aproximadamente 24 milhões de euros.

Recomendadas

PremiumPorto Law Summit debate sociedades multidisciplinares

As sociedades multidisciplinares – formadas por advogados e outros profissionais – estão a chegar. O bastonário Luís Menezes Leitão, que se recandidata ao cargo, não está disponível para as aceitar.

Diferendo entre Ordem dos Advogados e Conselho de Deontologia de Lisboa volta “à estaca zero”

O despacho deixa o recurso apresentado em janeiro desse ano pelo bastonário, Luís Menezes Leitão, novamente por decidir, contrariando o próprio entendimento que esta 3.ª Secção do CS havia tido anteriormente.

Advogados do caso BES querem Supremo a decidir pela manutenção de Ivo Rosa no processo

Na terça-feira a providência 24/22, deu entrada no Supremo e ficou decidido como relator o juiz conselheiro Manuel Capelo, segundo a “TSF”.
Comentários