Legionella. Morreu doente internado no Centro Hospitalar de Coimbra

Um doente com diagnóstico inicial de legionella morreu no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), onde estava internado, informou hoje a Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro.

Em comunicado, o Departamento de Saúde Pública da ARS do Centro confirma o óbito do doente, “após contacto com a administração” do CHUC.

Segundo o gabinete de relações públicas da Administração Regional de Saúde, aguarda-se agora “a realização de autópsia médico-legal para determinação da causa da morte” do paciente.

“A investigação ambiental relacionada com este caso foi efetuada pelo departamento e pela Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Mondego, não se tendo identificado fontes de emissão de aerossóis contaminados com potencial infeccioso”, adianta.

Por outro lado, o Departamento de Saúde Pública da ARS do Centro afirma “ter-se estado em presença de um caso isolado” e recorda que a legionella “não se transmite de pessoa a pessoa”.

“Toda a situação clínica do doente em causa foi devidamente explicada aos familiares pela equipa médica assistente”, acrescenta.

Na sua edição ‘online’, o semanário regional Campeão das Províncias noticiou ao início da manhã que “um homem que padecia de legionella morreu hoje”, em Coimbra, após ter estado internado “durante um mês”.

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários