Legislativas. Agência de rating antevê eleições antecipadas em Portugal

A agência de rating DBRS considera que os resultados das eleições legislativas terão poucos riscos, uma vez que as medidas de ajustamento orçamental parecem continuar asseguradas, mas alerta para o risco de eleições antecipadas face a um governo minoritário. De acordo com uma nota de análise da DBRS, “a formação de uma grande coligação parece […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A agência de rating DBRS considera que os resultados das eleições legislativas terão poucos riscos, uma vez que as medidas de ajustamento orçamental parecem continuar asseguradas, mas alerta para o risco de eleições antecipadas face a um governo minoritário.

De acordo com uma nota de análise da DBRS, “a formação de uma grande coligação parece improvável”, considerando que “o resultado mais provável é um governo minoritário, liderado ou pelo PS, ou pelo PSD/CDS, o que pode aumentar o risco de eleições antecipadas”.

No entanto, na mesma nota, a agência salienta que independentemente do resultado, “os riscos políticos são limitados, uma vez que o apoio aos partidos políticos com menos representatividade permanece baixo, apesar da oposição pública à austeridade”.

“Com o apoio popular concentrado em torno nos partidos tradicionais [PS, PSD e CDS] que estão comprometidos com as obrigações europeias para Portugal, a DBRS considera limitados os riscos políticos resultantes das eleições, sem implicações diretas no rating da dívida de longo prazo de BBB (low)”, refere a agência de notação.

A DBRS assinala que uma vitória do PS nas eleições do próximo domingo pode traduzir-se “num ritmo mais lento de ajustamento orçamental”, mas o partido continuará “a assegurar um nível razoável de continuidade das políticas” implementadas em Portugal durante os quatro anos do programa de ajustamento.

“Não são esperados grandes desvios das políticas atuais, como uma reversão de algumas medidas de austeridade incluindo os cortes salariais no setor público e da sobretaxa de IRS, já contidas no Programa de Estabilidade 2015-2019 que o atual Governo apresentou em abril” num documento enviado a Bruxelas.

Nesse sentido, “a DBRS acredita que o próximo governo deverá manter-se amplamente comprometido com a prudência orçamental”.

Contudo, e independentemente do resultado das eleições, Portugal “ainda enfrenta importantes desafios em termos de maior ajustamento orçamental e de reformas estruturais para melhorar as suas perspetivas de crescimento a médio prazo”, avisa a DBRS, acrescentando que “apesar dos progressos que Portugal tem feito, esses desafios mantêm-se e o próximo executivo terá pouca margem de manobra”.

OJE

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.