Legislativas: BE antecipa PS a queimar pontes à esquerda e quer obrigar a “caminho negociado”

Catarina Martins antevê uma campanha eleitoral em que o PS tentará “queimar as pontes possíveis” com a esquerda, à procura de maioria absoluta, cenário que o BE quer impedir para obrigar os socialistas a um “caminho negociado”.

catarina_martins_oe_2020
António Cotrim/Lusa

“António Costa quer uma maioria absoluta e fará todo um discurso de campanha queimando pontes possíveis numa espécie de `eu sozinho sou uma boa solução´, resta saber se o país acha que isso é uma boa ideia”, antecipou, em entrevista à agência Lusa, a propósito das eleições legislativas de 30 de janeiro.

Para a coordenadora nacional bloquista, independentemente de quem teve culpa pelo chumbo do Orçamento do Estado para 2022 – para o BE, foi o PS – continua a ser possível a construção de “maiorias parlamentares de esquerda” em que tudo vai depender “da relação de forças” resultantes dos votos dos portugueses.

“Independentemente da apreciação do momento da crise – [o PS] foi falso, foi precipitado nesta vontade de ter uma maioria absoluta – independentemente desse julgamento, toda a gente percebe em Portugal que a situação de impasse político e a situação de uma espécie de pântano na vida nacional, em que os problemas não são resolvidos, é uma situação que não pode continuar”, considerou.

Para Catarina Martins, “é preciso um ciclo novo” que não será trazido nem por uma maioria absoluta do PS nem “pela direita ou pela extrema-direita” que, resume, “acha sempre que o salário mínimo é alto” e não quer “reforçar os serviços públicos”.

Face à posição do secretário-geral do PS, António Costa, que pediu “metade mais um” dos votos, por outras palavras, a maioria absoluta, Catarina Martins responde que “as pessoas sabem o que é a maioria absoluta do PS”.

Esse é também o argumento que utiliza quando questionada sobre se receia perder votos para o PS e o efeito do chamado “voto útil”: “As pessoas têm memória” e “bem sabem o que é uma maioria absoluta do PS, são recibos verdes, são privatizações”.

“Essa memória do que é uma maioria do PS e do que é também a direita é uma memória que também vale no momento do voto”, sustenta Catarina Martins, insistindo que se a “esquerda tiver força, vai ser possível encontrar maiorias parlamentares para escolhas exigentes”.

Catarina Martins considerou que se exige aos partidos “clareza” sobre as condições de governabilidade e garantiu que o BE, “tal como em 2015 e 2019” está disponível para “um caminho negociado” no pós-eleições, caso se repita um cenário em que o PS vença sem maioria.

“A próxima legislatura tem de ter essa clareza. No BE sempre defendemos que era importante haver um acordo de maioria para uma legislatura, que fosse um acordo de governo, que tivesse etapas, metas, estratégias e objetivos que todo o país percebesse. E isso é preciso agora, e à cabeça é preciso uma reformulação do SNS, temos lutado muito por isso”, declarou, acrescentando as questões laborais e o aumento dos salários ao “caderno de encargos” bloquista.

“Quando não há maioria absoluta, certamente que o caminho há de ser um caminho negociado e há de ter de ter metas e estratégias que ultrapassem as debilidades dos serviços públicos, da escola pública, da justiça, mas também que seja capaz de recompor os salários e os direitos do trabalho em Portugal”, acrescentou.

Na memória de Catarina Martins, está um PS que em 2015 “não queria entender-se com ninguém, queria maioria absoluta”. E foi “a relação de forças” que resultou das eleições que “obrigou o PS a um acordo diferente” – a geringonça – que permitiu “descongelar as pensões e uma série de outros passos que as pessoas reconhecem como um momento importante da recuperação do país”.

Em 2019, continuou, o PS “ficou um pouco zangado” por mais uma vez falhar a maioria absoluta, mas, por ter tido mais força nas urnas [do que em 2015], “quis parar esse processo [de acordos à esquerda] e verdadeiramente parou, deixou de dialogar à esquerda” e preferindo “voltar-se para a direita” enquanto mantinha “a fantasia” de conseguir viabilizar os orçamentos à esquerda com políticas que “já não correspondiam”.

Da legislatura que termina, Catarina Martins observou que o que fica é o PS a negociar com o PSD o fim dos debates quinzenais “para tirar centralidade ao parlamento” e “em relação à contratação pública, os fundos europeus, e uma espécie de partilha de `bloco central´ dos cargos dirigentes”.

Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários