Legislativas: Carlos Pereira considera que PS é o único partido que garante os interesses da Madeira

O candidato do PS Madeira às legislativas criticou o PSD por se ter “transformado num partido de protesto, sem agenda e inútil para a defesa” da região autónoma.

O candidato do PS Madeira, às eleições legislativas, Carlos Pereira, considera que o PS é o único partido que garante a defesa dos interesses da Madeira na Assembleia da República.

O socialista elencou várias conquistas que o PS tornou possível, nos últimos seis anos, onde incluiu o cofinanciamento do novo Hospital, o financiamento a 100% dos cabos submarinos e um “valor robusto” do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para a Madeira.

Carlos Pereira lamentou que o Governo da Madeira “não tenha feito chegar” esses apoios ao tecido empresarial e ao setor privado.

O socialista considerou que com o PS se garantiu a estabilidade do Centro Internacional de Negócios e dos programas de habitação social, nomeadamente o 1º Direito, ao qual os municípios da Madeira podem se candidatar.

“Nós somos o garante da defesa dos interesses da Madeira na Assembleia da República”, disse Carlos Pereira, acrescentando que o PSD “se transformou num partido de protesto, sem agenda e inútil para a defesa” da região autónoma.

Carlos Pereira pediu “união e mobilização” de modo a que se garanta “uma maioria robusta do PS e reeleger António Costa primeiro-ministro”.

O socialista deu a boas-vindas do secretário-geral do PS, António Costa, à Madeira, e criticou “o outro candidato que quer ser primeiro-ministro [Rui Rio]”, que “não vai ao país todo”. Carlos Pereira afirmou que Rui Rio “tem vergonha e medo de vir” à Madeira, sublinhando que não se conhece aquilo que Rui Rio pretende para a região autónoma.

Recomendadas

Uberização do mercado das entregas deverá continuar a crescer

Empresas que trabalham para o sector da logística e transporte acreditam que a concorrência das plataformas digitais veio para ficar.

Jerónimo de Sousa lamenta que “rolo compressor” tenha garantido aprovação do Orçamento

“Foi para satisfazer a gula do grande capital e calar os avisos e as pressões vindas da União Europeia que o Governo, ontem [sexta-feira] mesmo, fez votar o seu Orçamento do Estado”, afirmou Jerónimo de Sousa, durante a sessão de encerramento da XII Assembleia da Organização Regional de Viseu do PCP.

“Tempestade perfeita” afeta sector mundial do transporte logístico

Antes do final de 2023 não se vislumbra a normalização do transporte logístico mundial, garantem especialistas contactados pelo JE. As fábricas de automóveis já não têm cablagens, nem chips.
Comentários