Legislativas custam 8,5 milhões ao Estado

As eleições legislativas de 4 de outubro têm um custo para o Estado de cerca de 8,5 milhões de euros, que se destinam maioritariamente ao pagamento dos membros das mesas de voto e tempos de antena. O secretário-geral adjunto da Administração Eleitoral, Jorge Miguéis, avançou à agência Lusa que a organização das eleições legislativas custa […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

As eleições legislativas de 4 de outubro têm um custo para o Estado de cerca de 8,5 milhões de euros, que se destinam maioritariamente ao pagamento dos membros das mesas de voto e tempos de antena.

O secretário-geral adjunto da Administração Eleitoral, Jorge Miguéis, avançou à agência Lusa que a organização das eleições legislativas custa ao Estado cerca de 8,5 milhões de euros, sendo as verbas “mais significativas o pagamento aos membros das mesas eleitorais e as indemnizações às estações de rádio e televisão pela emissão dos tempos de antena”.

No caso das mesas de voto, Jorge Miguéis especificou que existem cerca de 11.800 mesas de voto espalhadas pelo país, compostas por cinco membros, que vão receber 50 euros cada um.

Os presidentes das câmaras municipais definem os locais onde são instaladas as mesas de voto.

Mais de nove milhões de eleitores residentes em território nacional e no estrangeiro são chamados a votar nas eleições de 4 de outubro para escolher 230 deputados.

A estas legislativas concorrem 16 forças políticas, das quais três são coligações e as restantes 13 partidos.

OJE

Recomendadas

Presidente do PS pede ao Governo apurado sentido de orientação e maior rigor nas condutas

Este aviso foi transmitido por Carlos César através de uma mensagem vídeo na sessão do PS evocativa dos sete anos de governos socialistas liderados por António Costa, que decorre na estação fluvial do Terreiro do Paço.

Vasco Lourenço contesta aproveitamento político do 25 de novembro pela extrema-direita

“Não aceito agradecimentos dos que, em 25 de Novembro de 1975, foram vencidos, por mim e pelos meus camaradas de Abril”, enfatiza Vasco Lourenço em comunicado, no qual não nomeia qualquer partido, embora se dirija expressamente à extrema-direita.

José Maria Monteiro de Azevedo Rodrigues é o novo presidente da Comissão de Normalização Contabilística

A decisão foi tomada em Conselho de ministros e publicada hoje, sexta-feira, no Diário da República, informou o Ministério das Finanças em comunicado.