Legislativas: IL volta a apostar no ex-presidente Carlos Guimarães Pinto pelo Porto

A manutenção de João Cotrim Figueiredo como cabeça de lista por Lisboa era já conhecida da moção de estratégia global aprovada na convenção da semana passada, mas a grande novidade é a repetição de Carlos Guimarães Pinto (38 anos, economista) como “número um” da lista do círculo eleitoral do Porto.

“É chocante viver num país que, ao que tudo indica, teve um ministro e, possivelmente, alguém acima dele, que viu um incêndio que matou dezenas de pessoas e a primeira coisa que pensou foi: como é que vamos disfarçar isto? Que golpe de teatro vamos criar para não perder votos?”

A Iniciativa Liberal (IL) terá como cabeça de lista pelo Porto às eleições legislativas o seu antigo líder Carlos Guimarães Pinto, mantendo a aposta de 2019, tal como em Lisboa, onde repete o presidente e deputado, João Cotrim Figueiredo.

De acordo com informação avançada à agência Lusa, estes nomes fazem parte da proposta que a Comissão Executiva, depois de auscultação aos núcleos, vai apresentar ao Conselho Nacional da IL, que esta noite se reúne para aprovar as listas às legislativas de 30 de janeiro do próximo ano.

A manutenção de João Cotrim Figueiredo como cabeça de lista por Lisboa era já conhecida da moção de estratégia global aprovada na convenção da semana passada, mas a grande novidade é a repetição de Carlos Guimarães Pinto (38 anos, economista) como “número um” da lista do círculo eleitoral do Porto.

Carlos Guimarães Pinto era presidente da IL quando o partido, em 2019, nas suas legislativas de estreia, conseguiu logo eleger o seu primeiro deputado – João Cotrim Figueiredo, então independente, por Lisboa -, mas falhou a sua eleição pelo Porto.

Em 30 de outubro desse ano, anunciou que iria abandonar o cargo no “dia histórico” em que a IL se estreou com uma intervenção no parlamento, considerando então que a sua missão como presidente estava cumprida.

Entre os candidatos que hoje deverão ser aprovados pelo Conselho Nacional estão, por Lisboa, João Cotrim Figueiredo, 60 anos, economista, seguido por Carla Castro, 43 anos, economista e doutorada em gestão que coordena o Gabinete de Estudos da IL e ainda Rodrigo Saraiva, 45 anos, consultor de comunicação que atualmente é chefe de gabinete no parlamento.

Pelo Porto, além de Carlos Guimarães Pinto, segue-se Patrícia Gilvaz, com 24 anos e licenciada em Direito, tendo sido presidente da Associação de Estudantes da Faculdade de Direito da Universidade do Porto.

De acordo com a moção de estratégia global apresentada e aprovada por Cotrim Figueiredo na convenção do último fim de semana, o objetivo da IL nas legislativas é conseguir “4,5% dos votos a nível nacional” – o que significa mais do que triplicar o resultado – e a “eleição de cinco deputados, nos distritos de Lisboa e Porto e com possibilidades também em Braga, Setúbal e Aveiro”.

Assim, por Braga, os liberais apostam em Rui Rocha, 51 anos, gestor de Recursos Humanos, enquanto em Setúbal a escolha da direção é Joana Cordeiro, 37 anos, gestora de Marketing e em Aveiro Cristiano Santos, 36 anos, enfermeiro especialista em saúde mental e psiquiatria.

O ex-presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos Nuno Garoupa será a escolha da IL pelo círculo Fora da Europa.

Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários