Legislativas 2022: debate a nove mostra difícil governabilidade futura, apesar da disponibilidade para o diálogo

O único debate televisivo entre os partidos candidatos às próximas eleições legislativas confirmou a tentativa de bipolarização entre PS e PSD e permitiu a António Costa falar de “maioria absoluta”. Impostos, principalmente, e saúde também foram temas em debate.

O único debate televisivo entre os partidos candidatos às próximas eleições legislativas confirmou a tentativa de bipolarização entre PS e PSD, mas acabou com a certeza de que não há garantias de governabilidade a seguir a 30 de janeiro, não havendo maioria absoluta, mesmo que a maioria manifeste disponibilidade para negociar.

Questionado pelo moderador do debate transmitido pela RTP1 e RTP3 no segundo dia de campanha eleitoral, o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, acabou por apontar a uma maioria absoluta, mas demonstrou disponibilidade para “dialogar com todos os partidos”, mesmo depois de apontar a falta de “vontade política” que os seus parceiros de “geringonça”, BE e PCP, para aprovarem o orçamento do Estado para 2022, o que resultou, em última análise, na dissolução do Parlamento.

A mesma linha negocial foi prometida pela maioria dos participantes. “No dia a seguir às eleições vamos estar a debater um contrato [para a governação]”, garantiu Catarina Martins, coordenadora do BE; “Estamos disponíveis para convergir com todos os que tenhamos de convergir”, disse João Oliveira, líder parlamentar do PCP e cabeça de lista da coligação pelo círculo eleitoral de Évora, que neste debate substituiu Jerónimo de Sousa, ainda a recuperar de uma operação.

À direita, Rui Rio, que insistiu na bipolarização, tal como o secretário-geral do PS, dizendo que a escolha, no dia 30, é entre ele e Costa, reafirmou a “disponibilidade para negociar”, se não conquistar uma maioria absoluta, mas que pretende reciprocidade, numa referência à posição do PS.

Disse, ainda, acreditar que a diferença entre PS e PSD não será grande.

O presidente do Chega, André Ventura, afirmou que o partido quer “contribuir para uma alternativa de direita” e disse, mesmo, que, confirmando-se uma votação superior a 7%, como indicam algumas sondagens, exigirá fazer parte de um Governo. João Cotrim de Figueiredo, presidente da Iniciativa Liberal (IL), afirmou que já demonstrou disponibilidade para falar com o PSD e frisou que a IL poderá acrescentar algo aos social-democratas. “Pode-lhe faltar o ímpeto reformista”, atirou.

Num debate em que António Costa acabou por ser o principal alvo, tanto o CDS-PP, presidido por Francisco Rodrigues dos Santos, como o PAN, que tem Inês Sousa Real como porta-voz, manifestaram-se contra o bloco central, mas ficou por aqui a concordância, porque ambos recusam participar numa solução onde o outro esteja. O PAN rejeita participar num governo que permitisse “retrocessos civilizacionais”, aludindo, por exemplo, à tourada, que quer ver abolida, enquanto CDS-PP recusa conversar com o um partido que acusa de ser “animalista radical”.

Por fim, Rui Tavares, cabeça de lista do Livre por Lisboa, garantiu que procurará ajudar a garantir uma governabilidade. “Se houver maioria à esquerda faremos parte da solução, se houver maioria à direita, Livre fará parte da solução”, garantiu.

 

Todos pela redução de impostos

A governabilidade acabou por ser o tema mais importante do debate, mas o crescimento económico – abordado num sentido lato, incluindo a política fiscal ou o aumento da pobreza – e a saúde foram, também, discutidos, fixando-se os diferentes projetos propostos, ainda que todos concordem, por exemplo, na necessidade de redução dos impostos, para empresas ou particulares.

Rui Rio voltou a defender uma aposta, primeiro, na redução dos impostos sobre as empresas e só depois para o IRS. “Se for primeiro o IRS é fomentar mais do mesmo. É fomentar a distribuição sem cuidar da produção”, afirmou.

Questionado, recusou cortes nas pensões e garantiu aumentos para os funcionários públicos em função da inflação e ganhos de produtividade.

Catarina Martins, que foi a primeira a falar sobre o tema do crescimento económico, admitiu a redução dos impostos sobre o rendimento das pessoas. “Acreditamos que é possível reduzir o IRS de quem vive do seu salário”, disse, mas defendeu o crescimento dos salários como a principal variável para o crescimento, como o fez João Oliveira, que justificou com o maior crescimento que existiu nos últimos seis anos.

Numa fase em que foi criticado, especialmente à direita, António Costa enalteceu o crescimento económico durante o seu consulado. “Entre 2016 e 2019, economia cresceu sete vezes mais do que nos 15 anos anteriores”, disse afirmando que a ambição é acelerar esse crescimento, porque, agora, há recursos por causa do acesso a fundos europeus – o Programa de Recuperação e Resiliência (PRR) e fundos estruturais –, mas também um “sistema científico mais robusto” e mais próximo das empresas e uma força laboral mais qualificada.

Mas não respondeu ao porquê de a economia portuguesa ter sido ultrapassada pelas de diversos países, tornando-se alvo do CDS-PP, Chega e IL. André Ventura culpou o PS pela economia nacional ter sido ultrapassada por outros Estados-membros da União Europeia e apontou o dedo à fiscalidade. “A classe média paga 35% de imposto. É um roubo”, acusou.

No final, acabou por ser João Oliveira a responder à pergunta inicial, de como a economia tinha sido ultrapassada. “Fomos ultrapassados porque deixámos de produzir. Ficámos dependentes de outros”, disse. “Deixámos de produzir e passámos a comprar a outros”, sublinhou.

 

Saúde pública e privada, ou não

Na saúde, notou-se mais a diferença entre esquerda e direita, com os primeiros a defenderem mais o Serviço Nacional de Saúde (SNS), enquanto os segundos a proporem um sistema que conjuga o público com o privado.

Rui Rio afirmou que o SNS deve ser “tendencialmente gratuito” e funcionar em complementaridade com o sector privado, aumentando a capacidade do sistema e a possibilidade de escolha dos cidadãos. É acompanhado nestas ideias, ainda com nuances, por Rodrigues dos Santos, André Ventura e por Cotrim Figueiredo. “Queremos que passe a ser possível acederem a um sistema de saúde e não uma lista de espera”, afirmou o presidente da IL.

Do outro lado do espectro, António Costa referiu que é preciso continuar o caminho que já foi iniciado, reforçar o SNS e “aplicar a parceria que temos com o sector social” com as instituições particulares de solidariedade social. “[É preciso] tornar mais atrativa a carreira de medicina geral com incentivos nas zonas mais carenciadas”, defendeu.

João Oliveira também defendeu a valorização dos serviços públicos e avisou para a necessidade de o Estado ser mais competitivo. “Se não houver medidas de incentivo vamos assistir de uma forma dramática ao desmantelamento do SNS”, disse, numa ideia que é subscrita pelo BE. Segundo Catarina Martins o SNS tem “médicos, enfermeiros e técnicos superiores de Saúde” que não têm “condições para trabalhar no SNS”.

Rui Tavares, líder do Livre, aponta para um SNS que precisa ser reforçado “criando novas valências”.

Relacionadas

Legislativas 2022: promessa de redução dos impostos faz o pleno dos partidos, mas sem se explicar financiamento

No único debate televisivo da campanha eleitoral para as eleições legislativas de 30 de junho que junta os representantes de todos os partidos que conquistaram representação parlamentar nas últimas legislativas, ficou claro que os portugueses poderão esperar menos impostos, apesar das nuances.

Legislativas 2022: governabilidade sem garantia à esquerda ou à direita

No debate com os nove partidos com representação parlamentar, a maioria dos partidos admite estar disponível para dialogar depois das eleições de 30 de janeiro. Tanto no PS como PSD é revelada disponibilidade para negociar. À direita tanto a IL como o Chega dizem querer contribuir para Governo de direita.

Cerca de 137.800 inscritos até às 19:00 de hoje para voto antecipado em mobilidade

“O número de cidadãos eleitores que se inscreveram para votar no voto antecipado em mobilidade, até às 19h00 desta segunda-feira, é de 137.809”, precisa o MAI.
Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários