Líbano, entre o trauma e as ruínas

O Líbano atravessa um lento processo de colapso. Por quanto mais tempo será possível manter a dignidade num país que está a ser privado dos seus direitos fundamentais e onde reina a impunidade total?

Há um ano, o Líbano foi destroçado pela detonação apocalíptica de 3.750 toneladas de nitrato de amónio no porto de Beirute. O incidente arrasou várias áreas da cidade, matou dezenas de pessoas e causou milhares de feridos, além dos prejuízos incalculáveis em infraestruturas. Um trauma coletivo vivido em plena pandemia e que fragilizou ainda mais um país que já atravessava enormes dificuldades.

Um ano depois é difícil descrever a angústia e a raiva que pulsam em todos os cantos do Líbano, na sequência dessa explosão. Em cada libanês ferve revolta e indignação pelo facto de os verdadeiros responsáveis pela calamidade não terem sido levados à justiça. Na verdade, a justiça tem sido constantemente obstruída, acentuando tensões e agravando o sentimento de desamparo entre as vítimas.

Olho para a história do Líbano, o país das minhas origens, e vejo uma sucessão de tragédias neste último século que colocaram duramente à prova a sua população. A Grande Fome do Monte Líbano de 1915-18 matou cerca de 200 mil pessoas, e os relatos desse tempo são a materialização dos piores pesadelos. Especulação de preços, péssima gestão otomana em tempo de guerra e até relatos de canibalismo. E claro, não faltou muito para que se seguissem as epidemias de malária, disenteria e febre tifoide.

Quando, finalmente, a independência do Líbano se concretizou, em 1943, isso não ocorreu sem consequências. O legado colonial francês levou a um sectarismo religioso cada vez mais vincado que, décadas depois, conduziria ao eclodir da guerra civil libanesa de 1975-1990, uma das piores guerras de que há memória e que causou mais de 200 mil mortos. Um trauma coletivo que ainda hoje perdura na memória de cada família libanesa.

A situação atual não se define tanto por linhas setoriais religiosas. Na verdade, há uma forte união contra o que se considera ser a fonte de todos os males: uma elite política corrupta até ao osso, em que os líderes, antigos senhores de guerra, perpetuam o seu poder há décadas, recusando ceder o controlo a novas vozes políticas. Caíram em descrédito, tal como as suas promessas ocas de mudança.

O Líbano atravessa, assim, um lento processo de colapso. Em Beirute, muito ficou por reconstruir. A cidade continua marcada por cicatrizes profundas de destruição. Há famílias que ainda não regressaram às suas casas. A moeda desvalorizou. Os libaneses têm acesso a cinco horas de eletricidade por dia. Há filas intermináveis para bombas de gasolina e o custo de vida é absurdamente elevado.

A população só conseguiu manter alguma normalidade graças à enorme diáspora libanesa e à ajuda financeira internacional, mas por quanto tempo? Por quanto mais tempo será possível manter a dignidade num país que está a ser privado dos seus direitos fundamentais e onde reina a impunidade total?

Se o Líbano quer começar a sarar as suas feridas, é urgente iniciar um processo de responsabilização pela explosão de Beirute, a 4 de agosto de 2020. Todos sabemos que os primeiros aniversários são sempre momentos difíceis, em que se revive o trauma. E as ruínas que por lá permanecem apenas recordam que nada foi feito no último ano. Os libaneses merecem que lhes devolvam a esperança.

Recomendadas

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.

Precisamos de notícias positivas

Os gestores têm de pensar se querem mais dívida dentro das empresas quando se espera uma redução da atividade económica no próximo ano
Comentários