Libéria: George Weah eleito presidente quando falta apurar apenas 2% dos votos

O antigo futebolista George Weah é o novo Presidente da Libéria, de acordo com os resultados provisórios divulgados hoje pela Comissão Nacional de Eleições e quando falta apurar apenas dois por cento dos votos da segunda volta das presidenciais.

Weah, do Congresso pela Mudança Democrática (CCD), obteve 61,5% de votos expressos, enquanto o atual vice-presidente Joseph Boakai, do Partido Unido, no poder na Libéria, reuniu somente 38,7%.

A contagem dos votos da segunda volta das presidenciais, eleições realizadas na terça-feira, com 2,2 milhões de eleitores, prossegue hoje e os resultados finais serão anunciados na sexta-feira.

Na presidência da Libéria, George Weah sucede a Ellen Johnson-Sirleaf, prémio Nobel da Paz em 2011, a primeira mulher chefe de Estado em África.

George Weah, de 51 anos, já tinha ficado em primeiro na primeira volta das eleições presidenciais, a 10 de outubro, mas não logrou a maioria exigida.

Weah registou 39%, à frente de Boakai, de 73 anos, que obteve 29,1% dos votos. Os restantes 18% dos votos foram repartidos por Charles Brumskine (Partido pela Liberdade) e Beroni Urey (Partido de Todos os Liberianos).

As presidenciais foram as primeiras eleições em mais de 70 anos neste país africano, fundado por escravos norte-americanos.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários