Liberty contrata Bank of America para vender operação em Espanha, Portugal e Irlanda

O grupo contratou o Bank of America para vender a Liberty Espanha que inclui a sucursal em Portugal e na Irlanda, segundo as nossas fontes. Este poderá ser o maior negócio de fusões e aquisições de 2023.

Em 2019 foi considerada a maior operação da Liberty Mutal fora dos EUA, uma entidade com mais de 2,5 milhões de clientes, mais de dois mil colaboradores, mais de cinco mil intermediários e agentes e 1,25 mil milhões de euros em valor bruto de prémios nesse ano. Foi em 2019 que a Liberty consolidou as suas operações em Portugal, Espanha e Irlanda numa entidade única regulada em Espanha. Mas agora essa mesma unidade vai ser posta à venda, apurou o Jornal Económico.

O grupo contratou o Bank of America para vender a Liberty Espanha que inclui a sucursal em Portugal e na Irlanda, segundo as nossas fontes. Este poderá ser o maior negócio de fusões e aquisições de 2023. O banco de investimento que está a assessorar a venda está a fazer contactos em várias geografias, nomeadamente com companhias portuguesas e espanholas para convidar a analisar a compra da Liberty Seguros.

Em 2020, a Liberty Seguros, empresa que opera os mercados europeus de retalho da Liberty Mutual, nomeou Juan Miguel Estallo novo CEO para a região da Europa ocidental.

A Liberty Seguros está presente em Portugal desde 2003, após a aquisição da antiga Europeia ao grupo Suíço Credit Suisse. A nível internacional, a Liberty Seguros faz parte do Liberty Mutual Insurance Group, com sede em Boston, nos EUA, uma das maiores seguradoras mundiais.

A Bloomberg avança que a Liberty Mutual Holding Co, junta-se a outras seguradoras americanas que estão a retirar-se do mercado europeu. Em julho de 2021, a MetLife Inc., com sede em Nova Iorque, concordou em vender as suas operações de seguro de vida na Europa por quase 700 milhões de dólares à seguradora holandesa NN Group NV para otimizar os seus negócios globais.

A seguradora norte-americana está a trabalhar com o Bank of America nos possíveis desinvestimentos. A Bloomberg avança que o valor da operação pode chegar a mais de mil milhões de euros, citando pessoas familiarizadas com o tema. Os ativos podem atrair o interesse de seguradoras europeias rivais.

As negociações ainda estão num estágio inicial e podem não levar a uma transação, segundo a Bloomberg, que diz que a Liberty Mutual e o Bank of America se recusaram a comentar a informação.

A Liberty Mutual vende de tudo, desde seguros de imobiliário e acidentes de trabalho até seguros de vida em Espanha e Portugal através de agentes, bancos e afiliados, de acordo com o seu site. A empresa entrou na Irlanda através de uma aquisição em 2011 e oferece seguros para particulares, nomeadamente do automóvel e de crédito à habitação, além de seguros para empresas.

As seguradoras são responsáveis por cerca de 33,4 mil milhões de dólares em operações de fusões e aquisições este ano, segundo dados compilados pela Bloomberg.

 

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários