Líder checheno prepara envio de quatro batalhões para a Ucrânia

Aliado checheno de Putin vai enviar soldados para a Ucrânia.

O líder checheno Ramzan Kadyrov, um dos principais aliados de Vladimir Putin, disse no domingo que vai enviar mais tropas para ajudar as forças militares do Kremlin na ofensiva na Ucrânia, noticia o “Insider”.

Kadyrov anunciou a manobra através da plataforma Telegram, numa publicação na qual dá conta do envio de quatro batalhões com um “número impressionante” de soldados.

“O contingente militar incluirá apenas chechenos”, escreveu Kadyrov, acrescentando que os seus soldados “irão repor a estrutura das tropas do Ministério da Defesa da Federação Russa”.

Segundo Kadyrov, os quatro batalhões serão nomeados “North-Akhmat”, “South-Akhmat”, “West-Akhmat”, e “Vostok-Akhmat”.

“O número de pessoas que desejam defender a Pátria Mãe está a crescer exponencialmente, e a nossa tarefa é proporcionar-lhes essa oportunidade”, acrescentou.

Kadyrov afirmou que lutou na Ucrânia nos primeiros dias da invasão russa.

De acordo com oficiais da Ucrânia, o presidente da República da Chechénia e combatentes chechenos terão conspirado para assassinar Volodymyr Zelensky.

Recomendadas

Situação em Zaporizhzhia atingiu ponto “muito alarmante”, alerta diretor da Agência Internacional de Energia Atómica

A fábrica tem estado sob o controlo das tropas de Moscovo desde março, tendo sido mantida em funcionamento desde então por funcionários ucranianos.

Aviões militares russos cruzaram zona de defesa aérea do Alaska pelo menos três vezes esta semana

O caso mais recente ocorreu entre segunda e quarta-feira, revelou o Comando de Defesa do Espaço Aéreo Norte-Americano.

Ex-chanceler alemão processa parlamento depois de perder privilégios por ligação a Putin (com áudio)

De acordo com a lei alemã, os ex-chancelers têm direito a um cargo e a pessoal financiado pelo Estado mesmo depois de terminarem o seu mandato, mas os deputados votaram pela cessão dos seus privilégios quando Schroeder se recusou a cortar laços com Putin após a invasão da Ucrânia.
Comentários