Líder da oposição bielorrussa visita Lisboa a convite de Cravinho

Svetlana Tikhanovskaya, a principal opositora ao regime do Presidente da Bielorrússia em exercício, Aleksandr Lukashenko, cuja legitimidade ela não reconhece, será hoje recebida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse à Lusa o responsável da Diplomacia do gabinete de Tikhanovskaya.

Svetlana Tikhanovskaia

A líder da oposição bielorrussa no exílio, Svetlana Tikhanovskaya, inicia hoje uma visita de dois dias a Lisboa, a convite do ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho.

A principal opositora ao regime do Presidente da Bielorrússia em exercício, Aleksandr Lukashenko, cuja legitimidade ela não reconhece, será hoje recebida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse à Lusa o responsável da Diplomacia do gabinete de Tikhanovskaya.

A opositora bielorrussa distinguida em 2020 com o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento, atribuído pelo Parlamento Europeu, encontrar-se-á na sexta-feira com o presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, com o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, e com o presidente da câmara de Lisboa, Carlos Moedas.

Da agenda da visita de Tikhanovskaya, consta ainda um encontro com o presidente da Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros, Sérgio Sousa Pinto, bem como um encontro com a diáspora bielorrussa em Portugal.

Svetlana Tikhanovskaya, de 39 anos, está exilada na Lituânia desde que Lukashenko, no poder em Minsk desde 1994, renovou o mandato presidencial nas eleições de 09 de agosto de 2020, cujos resultados não foram reconhecidos pelo Ocidente por terem sido consideradas fraudulentas.

Tikhanovskaya reclamou a vitória sobre Lukashenko nessas eleições presidenciais e viu-se obrigada a fugir para a vizinha Lituânia quando ele ordenou uma sangrenta repressão da oposição.

Nesse escrutínio, Svetlana Tikhanovskaya substituiu o marido, Sergei Tikhanovsky, como candidata da oposição, depois de ele ter sido preso, a 29 de maio de 2020.

Sergei Tikhanovsky é um dos 882 presos políticos a que Svetlana Tikhanovskaya fez referência no discurso proferido no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, quando em 2020 recebeu o Prémio Sakharov, juntamente com outros dirigentes da oposição democrática bielorrussa. Em 2021, ele foi condenado a 18 anos de prisão no país.

Desde então que Tikhanovskaya repete incansavelmente que “nove milhões de bielorrussos continuam reféns” de Lukashenko e que “os bielorrussos não estão seguros no país nem no estrangeiro, e os outros europeus também não”, tendo mesmo chegado a defender que Lukashenko pode ser combatido com a mesma estratégia usada contra o coronavírus da covid-19: isolar, tratar e curar.

Para isolar o regime de Minsk, sugeriu que se evite receber os seus embaixadores e apelou às forças democráticas bielorrussas para participarem em eventos como as cimeiras da Parceria Oriental, entre a UE e várias antigas repúblicas soviéticas.

Insistiu que o “tratamento” deve basear-se num forte regime de sanções do Ocidente e não pode limitar-se a declarações de “grande preocupação” com o que está a acontecer na Bielorrússia.

Lukashenko é um aliado próximo do Presidente russo, Vladimir Putin, e é fortemente dependente de Moscovo.

Na guerra que começou a 24 de fevereiro entre a Rússia e a Ucrânia, a Bielorrússia deu a Moscovo uma vantagem estratégica fundamental ao permitir às tropas russas atacar a Ucrânia a partir do seu território, mas até agora não participou diretamente no conflito.

Tikhanovskaya considera que os soldados bielorrussos “não têm de partilhar a responsabilidade pelas ações do regime de Lukashenko” e tem elogiado os voluntários do seu país que estão a participar no conflito ao lado dos ucranianos: “Temos muito orgulho neles. Estão a defender a independência da Ucrânia, mas também estão a defender o nosso futuro”.

Recomendadas

Marcelo parte para São Paulo ainda sem “comunicação por escrito” de Bolsonaro

O chefe de Estado português afirmou hoje, antes de partir do Rio de Janeiro para São Paulo, que continua sem receber nenhuma “comunicação por escrito” do Presidente do Brasil a cancelar o almoço de segunda-feira em Brasília.

Futuros ‘vices’ defendem que país “precisa urgentemente” do PSD

Os futuros vice-presidentes do PSD Margarida Balseiro Lopes, Leitão Amaro e Paulo Cunha defenderam hoje que o país “precisa urgentemente do partido”, pelo que é necessário “fazer diferente” e abrir à sociedade civil.

PSD. Montenegro pede “apoio significativo” para as suas listas

O novo presidente do PSD, Luís Montenegro, pediu hoje “um apoio significativo” na votação de domingo para as listas aos órgãos nacionais que anunciou, considerando que tal será “um sinal para Portugal”.
Comentários