Líder do Estado Islâmico “está vivo” e continua a liderar o grupo

Um porta-voz do Pentágono disse que o líder do Daesh, Abu Bakr al-Baghadi, “está vivo” e continua a liderar o grupo extremista.

Um porta-voz do Pentágono disse hoje que o líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghadi, “está vivo” e continua a liderar o grupo extremista, apesar de os Estados Unidos “fazerem tudo” para o localizar e eliminar, informa a Lusa.

“Pensamos que Baghdadi está vivo e que continua a dirigir o grupo Estado Islâmico”, disse Peter Cook numa entrevista à cadeia de televisão CNN, acrescentando: “Estamos a fazer tudo o que podemos para o localizar e eliminar. É algo a que consagramos muito tempo e aproveitaremos qualquer ocasião para lhe infligir a pena que merece”.

Abu Bakr al-Baghdadi sempre agiu com grande discrição, contrariamente ao grupo que dirige, que multiplica as mensagens e vídeos de propaganda na Internet. A sua cara apareceu apenas num vídeo do Estado Islâmico desde a proclamação do “califado” no Iraque e na Síria, em junho de 2014, vídeo que foi filmado em Mossul, bastião ‘jihadista’ no norte do Iraque.

No mês passado, Baghdadi divulgou uma mensagem áudio a apelar aos seus seguidores para defenderem Mossul, alvo de uma ofensiva do exército iraquiano desde outubro.

A sua morte foi anunciada por diferentes fontes várias vezes, mas sempre impossível de confirmar.

Responsáveis norte-americanos têm recusado fazer comentários sobre o paradeiro ou estado de saúde de Baghdadi, mas o porta-voz disse hoje estar convencido de que o “califa” está isolado, devido às pesadas baixas sofridas pelo grupo em consequência dos ataques da coligação internacional anti-‘jihadista’.

“Ele tem dificuldade em encontrar conselheiros e confidentes com quem falar, porque muitos deles já não estão entre nós”, disse.

A administração norte-americana subiu de 10 para 25 milhões de dólares a recompensa por informações que levem à captura do líder do Estado Islâmico. A CNN noticiou na quinta-feira, citando um responsável norte-americano não identificado, que os Estados Unidos receberam “nas últimas semanas” informações sobre “movimentos” de Abu Bakr Al-Baghdadi.

Segundo documentos oficiais iraquianos, Baghdadi nasceu em Samarra em 1971 e ter-se-á juntado à resistência que se formou depois da invasão liderada pelos EUA em 2003, tendo chegado a estar detido numa prisão norte-americana no Iraque.

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

Impacto das sanções dos Estados Unidos prejudica cooperação com Portugal, diz embaixador iraniano

Mortza Damanpak Jami afirmou que até 2017, as relações e trocas comerciais entre os dois países ascendiam a 65 milhões de euros, valor que, depois das sanções devido ao programa nuclear iraniano, tem vindo a descer, situando-se em 2021 em torno dos 12 ou 13 milhões de euros.
Comentários