Líder do PSD de Faro diz que PS tem obrigação de viabilizar governo minoritário do PSD

Cristóvão Norte, ainda deputado mas fora das listas de candidatos às próximas legislativas, apelou a que o PSD convença “os portugueses da importância de uma maioria político-social” para que não esteja dependente do PS.

O líder da distrital do PSD de Faro, Cristóvão Norte, defendeu que o PS tem a obrigação de viabilizar um governo minoritário social-democrata, o que nunca fez na história, e que o PSD tem que ter “uma alternativa clara [de governação]”.
Na intervenção mais entusiástica na manhã do segundo dia do 39.º Congresso Nacional do PSD, que decorre em Aveiro, o ainda deputado – que apoiou Paulo Rangel nas diretas e está fora da lista de deputados para as próximas legislativas – apelou a que o PSD convença “os portugueses da importância de uma maioria político-social” para que não esteja dependente do PS.
“O que é que nos vamos fazer para transformar este país? Nós temos que ter a nossa alternativa clara. O PS nunca viabilizou na história um governo do PSD e teve várias ocasiões de o fazer”, referiu.
O social-democrata recordou que o “PSD viabilizou governos do PS porque era irreconciliável o PS com o PCP e depois com o BE”.
“Hoje temos o Chega e o Chega é irreconciliável com o PSD, portanto se o Chega é irreconciliável com o PSD, o PS tem a obrigação de fazer ao PSD aquilo que o PSD fez ao PS no passado”, defendeu.
Em suma, para Cristóvão Norte, é “obrigação do PS viabilizar um governo do PSD caso esse governo do PSD seja minoritário”.
“Convençamos os portugueses da importância dessa maioria político-social para que não estejamos dependentes do PS porque dependentes do PS seremos sempre seus reféns, não iremos avante. Viu-se, em 2019, o doutor Rui Rio quis estabelecer reformas estruturais com o PS e que resposta obteve”, questionou.
Para o ainda deputado, o PSD tem que “conseguir mudar o país”, sendo esse o papel do partido: “ambicionar o futuro, não ter medo de fazer escolhas”.
“E por isso muitas vezes – e já dizia o nosso hino – temos de dizer não, para depois dizer sim. Para mudar Portugal não basta ganhar eleições, é necessário ganhar o seu espírito e o seu coração”, sustentou.
De outra forma, segundo Cristóvão Norte, o PSD será “apenas um Governo de turno, conjuntural e sem a maioria político-social para fazer as reformas que resgatem o país da cauda da Europa”.
“Portugal nas meias-tintas, sem as reformas, vendido ao PS, estagnou, desmoralizando os portugueses”, lamentou.
Antes, quem subiu ao púlpito do Europarque foi o médico de Saúde Pública e epidemiologista Ricardo Mexia – diretor de campanha de Carlos Moedas na corrida à liderança da Câmara de Lisboa – o qual considerou que Portugal, na saúde, vive “uma realidade paralela” daquela que é comunicada, onde há “cada vez mais cidadãos sem médicos de família e erosão dos recursos humanos”.
Ricardo Mexia deixou ainda uma palavra aos profissionais de saúde, considerando que “têm sido muito resilientes”, numa alusão às polémicas declarações da ministra da Saúde, Marta Temido, apesar de nunca referir o nome da governante.
“Se não fosse essa resiliência, estaríamos numa situação muito pior”, afirmou.

Relacionadas

Mota Pinto recusa qualquer possibilidade de governo do “bloco central”

Presidente da mesa do congresso do PSD defende diálogo com todos os partidos, diz que CDS-PP e PS estão mais próximo e só exclui o Chega, “enquanto não se moderar”.

PremiumOpositor vai exigir a Rui Rio que não seja “uma muleta do PS”

Autor de uma carta aberta ao líder reeleito, Pedro Rodrigues pretende apelar à união e à clareza no congresso do partido. Indisponível para ficar no Parlamento, diz que Rio tem obrigação de vencer as eleições.

Sondagem dá empate técnico entre PS e PSD nas próximas legislativas

Se as eleições fossem hoje, votos nos três partidos da “geringonça” cairiam 4,1 pontos percentuais, face ao estudo feito pela Aximage em novembro, ficando abaixo do limiar de 50%.
Recomendadas

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.
Comentários