Líder norte-coreano expressa “total apoio” a Putin no Dia da Rússia

Sem nunca mencionar a guerra na Ucrânia, o líder norte-coreano reafirmou “a amizade” entre a Coreia do Norte e a Rússia, que “tem sido transmitida através de uma longa história”, revelando ainda vontade de “expandir e desenvolver” essa relação.

O líder norte-coreano Kim Jong-un manifestou hoje “total apoio” ao Presidente Vladimir Putin por ocasião do Dia da Rússia, informou hoje a agência de notícias oficial da Coreia do Norte KCNA.

Kim Jong-un enviou uma mensagem de felicitações a Putin e ao povo da Rússia no dia em que se celebra a independência do país, apontou a KCNA.

Sob a liderança de Putin, disse Kim, a Rússia “conseguiu ousadamente ultrapassar todo o tipo de desafios e dificuldades” enfrentados “na realização da justa causa da defesa da dignidade, da segurança e do direito ao desenvolvimento”.

Sem nunca mencionar a guerra na Ucrânia, o líder norte-coreano reafirmou “a amizade entre os dois países”, que “tem sido transmitida através de uma longa história”, revelando ainda vontade de “expandir e desenvolver” essa relação “de acordo com as exigências da nova era e as aspirações dos dois povos”.

Kim observou que a amizade e cooperação entre Moscovo e Pyongyang “entrou numa nova fase” desde a primeira cimeira entre os dois líderes, em 2019.

Pyongyang espera que “a cooperação estratégica e tática entre os dois países se torne mais estreita”, completou.

Kim Jong-un e Vladimir Putin reuniram-se em Vladivostok, na Rússia, em abril de 2019, dois meses depois da realização da segunda cimeira entre o líder norte-coreano e o antigo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Hanói, no Vietname, para abordar a desnuclearização da península coreana.

As negociações entre Washington e Pyongyang fracassaram e o diálogo entre os dois países permanece paralisado desde esse encontro.

Recomendadas

Mario Draghi deixa cimeira da NATO para tentar resolver tensões no governo italiano

O primeiro-ministro italiano deixou a cimeira da NATO em Madrid para regressar a Roma e presidir quinta-feira a uma reunião do Conselho de Ministros em pleno clima de tensão política.

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.
Comentários